segunda-feira, 9 de julho de 2012

Pêssego caramelizado com sorvete

Para os amantes do quento/frio nas sobremesas, fica registrado aqui mais um sucesso.

Eu gosto de brincar com as receitas. Variar um ingrediente aqui e ali para ver o que dá, substituir coisas similares para dar um gosto diferente, juntar uma especiaria aqui e ali para dar um toque especial.

Depois da sopa de frutos vermelhos (ou fondue, ou calda quente, chamem como quiser), resolvi testar outras frutas quentes para servir com um sorvete. E não é que ficam boas? Desta vez foi com pêssego fresco e sorvete.



Primeiro de tudo, eu sou suspeita para falar/fazer esta combinação. Meus amigos sempre me acharam estranha, mas eu sempre esperava o sorvete derreter para tomar, ou começava pelas bordas que já estavam derretidas. Ficava aquela coisa melequenta, gosmenta, melada, viscosa, saborosa, na temperatura ideal para ser degustada pelas papilas gustativas.

A mesma coisa com chocolate. Eu esperava derreter, segurando com os dedos mesmo, para comê-lo quando já estava quase líquido, viscoso, sentindo a pulsação de cada gota na minha boca. Eu esperava a camada de chocolate do Sonho de Valsa derreter (as duas camadas, a mais clara e a mais escura, já notaram? Ainda é assim?) para comer a casquinha crocante e só então comer o recheio molinho de castanha de caju delicioso, ou então esperar derreter todo o chocolate na boca para poder mastigar a castanha, avelã ou pedaço do que tiver dentro do chocolate... e nisso, todos os meus dedos ficavam sujos, e eu terminava feliz lambendo-os de um por um. E nessa história eu sempre era a última a acabar. E acabava comendo bem menos que os outros que devoravam quase sem mastigar. Mas ficava feliz por sentir o verdadeiro gosto do alimento. Nunca me interessei em comer barras e barras de chocolate, mastigando e engolindo de vez. Para mim isso não tem o menor sabor, literalmente falando.

O sabor do chocolate, do sorvete, ou do que mais a gente comer, tirando a parte visual e olfativa, vem da língua. Sentir a temperatura, a textura, a maciez/crocância dos alimentos, o sal, o açúcar, a acidez, tudo vem da língua. Se não deixamos o alimento em contato com ela, como podemos querer que ela identifique o que quer que seja? Como diferenciar um chocolate bom de um ruim, um vinho, um sorvete, se não o deixamos por alguns segundos na boca?

Durante este tempo, ele se aquece com a temperatura do corpo, libera outros aromas e sabores, que os apressados gulosos não sentem. Além da sensação que dura muito mais tempo na boca...um quadradinho de chocolate que derrete na boca dura mais tempo do que uma barra engolida às pressas. E com muito mais sabor. E menos calorias. A saciedade chega mais rápido, sem que fique enjoativo.

Pois bem... o fato é que as frutas quentes permitem que gente sinta um novo sabor quando as provamos, às vezes diferente, além de ajudar a derreter o sorvete (minha parte preferida!), que por sua vez também libera todos os seus sabores. E o melhor disso tudo, é quando a gente prova um misturado no outro (me lembrei do Chef Ratinho do filme Ratatouille provando um pedaço de queijo, depois um pedaço de uva, e depois os dois juntos!).

Vamos ao que interessa: desta vez, pêssego quente com sorvete de caramelo.

Cortar o pêssego (usei fresco) em metades ou em fatias, deixando a casca (por que retirá-la?).
Levar ao fogo um pouco de manteiga com mel, em função da quantidade de pêssego que for usada. Usei mel porque não tinha açúcar em casa, mas ficou perfeito. Deixar tomar uma cor dourada, sempre em fogo baixo. Juntar os pedaços de pêssego e deixar tomar gosto no caramelo por alguns minutos, virá-los e dourar do outro lado.



Servir quentinho com um sorvete por cima. Usei sorvete de caramelo, mas pode ser baunilha, ou outro neutro. E com a calda que fica na panela por cima do sorvete.... é de comer rezando!

Outra sugestão para o pêssego quente: eu comi um dia num almoço na casa de uma amiga, como acompanhamento de um magret de canard no churrasco... aquele sabor delicioso ficou guardado na minha memória. Qualquer dia eu faço! Fica a sugestão para os mais ousados.

8 comentários:

  1. Oi Kati,
    Pêssego caramelizado com sorvete é uma sobremesa muito simples, prática este contraste de temperatura, de sabores é uma combinação perfeita.
    Beijo,
    Vânia

    ResponderExcluir
  2. oi querida tudo bem ...essa sobremesa é sempre uma ótima pedida em casa né ..e hoje neste feriado ...é divina parabens pela receita sempre muiito criativa ...adorei as festas do davi ja estão no site ok...bjão

    ResponderExcluir
  3. Kati que delícia é essa?!!!
    Bjsss
    Mel

    ResponderExcluir
  4. KATI,
    ARRASOU, AMO TUDO ISSO!
    SOBREMESA PERFEITA!
    BJS E ÓTIMA SEMANA!

    ResponderExcluir
  5. Kati que engraçado pensei que fosse só eu a apreciar sorvetes derretidos, aqui em casa, todos gostam de saboreá-lo assim que tiram do freezer, já eu gosto de bater bem com a colher até ficar molinho quase líquido, já o chocolate gosto de durinho mesmo hehe, o sonho de valsa eu como toda a casquinha pra poder saborear bem devagar o miolinho delicioso que ele tem. Temos cada mania né? hehe
    Essa sua sobremesa, está maravilhosa, adoro sorvete com acompanhamentos quentes, tanto é verdade que amo petit gateau. Amei sua sobremesa, deliciosa. Bjos uma ótima semana amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josy,
      já encontrei várias pessoas que adoram sorvete derretido, não somos as únicas! hehehe Eu também batia com a colher para ficar mais molinho. Uma pena que os sabores se misturavam (napolitano, por exemplo), mas ficava gostoso mesmo assim.
      Beijos

      Excluir
  6. Oi Kati,
    nossa, que receita maravilhosa!!!
    Também vim pra ficar.
    Já estou seguindo!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chris
      Obrigada
      E pode ficar à vontade!
      Beijos

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...