sábado, 30 de junho de 2012

Canapés de salmão com creme de endro

Salmão é um produto indispensável na culinária do norte da Europa. Com mares extensos e terras cobertas de neve uma boa parte do ano, fica difícil criar gado. Os peixes são então, muito bem-vindos.

Bacalhau, arenque, enguia, carapau, salmão, truta e diferentes peixes brancos são abundantes por lá, sendo objeto de exportação. Além dos crustáceos que também são muito consumidos.


A erva aromática que se casa melhor com o salmão é endro (aneto ou dill), sendo muito usada na Suécia e nos países nórdicos. Fresca ou seca, ela aromatiza diversas receitas, como saladas, peixes, carnes e molhos. Seus grãos aromatizam licores e geleias.

Ela também traz enormes benefícios para a saúde, tendo propriedades digestivas, antiespasmódica, diurética, anti-inflamatória, calmante, entre outras. Em infusão, o endro é um excelente estimulante do sistema digestivo. Mais informações, Wikipédia.

Para a minha entrada do jantar sueco, eu usei:

pão sueco
salmão defumado
creme de leite
limão espremido
endro fresco picadinho
pimenta do reino (o salmão já é salgado o suficiente, não usei mais sal no molho)
pepino

Misturei todos os ingredientes do molho, arrumei as torradas com pão sueco, meia fatia de salmão, arrumei um pouco do molho por cima, alguns pedaços de pepino e um raminho de endro para enfeitar.


O jantar segue com:
Pyttipana
Sopa de frutas vermelhas e sorvete de baunilha.

Mais informações sobre a Suécia em comidas, ver este post aqui.

30) Uma palavra que defina o verão e este desafio

30) Uma palavra que defina o verão e este desafio: partilha.

Além desta, já que acho que é muito pouco resumir em uma só, deixo mais duas antagônicas que parecem se adequar ao tema. introspecção x exposição.

Explico.

O desafio Amantes do Verão foi uma sequência de questões a serem respondidas com temas relacionados ao verão, onde cada pessoa dava uma interpretação o mais pessoal possível. Tudo isso partilhado com vocês. Várias questões bem pessoais foram respondidas, tornando a imagem da pessoa que vos escreve um pouco mais humana e mais acessível, saindo um pouco do lado impessoal de receitas e de dicas. Afinal a ideia do meu blog é primeiramente publicar meus pensamentos, dentre eles minhas aventuras culinárias. Por conta deste segundo item, encontrei várias pessoas que se tornaram tão queridas para mim como aquela vizinha querida com quem você vai tomar um café de tardezinha, levando um pedaço de bolo.

Isso é partilha. O que tem tudo a ver com um blog, onde as pessoas tem um espaço para mostrar suas ideias, opiniões e criações.

Para permitir isso, tive que atravessar as barreiras da introspecção, ou seja, refletir em vários momentos sobre mim mesma e minhas aventuras afim de tornar tudo isso público por meio do blog, ou seja, uma grande exposição.

Cada tema me permitiu de mergulhar na minha própria mente para achar a resposta mais adequada. E isso foi um exercício de memória, paciência, organização (postagens programadas para ficar em dia com tudo) que eu nem comento! As participantes devem entender...

E o verão com isso?

Segundo cientistas, psicólogos, psiquiatras, estudiosos ou curiosos metidos a entendidos, o verão é uma época de partilha necessária ao ser humano. No inverno, no frio, as pessoas se cobrem mais, se retraem, se fecham nelas mesmas, como que se guardando para se proteger. Mas isto é um ciclo e as pessoas não conseguem passar a vida inteira assim. Elas também precisam se mostrar, se socializar, partilhar, criar laços, se unir, e isso se torna possível com o verão, onde as pessoas absorvem a luz do sol e buscam mais contato com a natureza, com o ar livre. O que as torna mais susceptíveis de encontrar outras pessoas nas mesmas condições. O calor também nos obriga e nos vestir de forma leve, deixando mais partes do corpo expostas. Esta exposição também atrai o outro, e o contato pele com pele é possível.

Isso é partilha.

Aqui termina minha participação nas Amantes do Verão, que foi longa e cheia de surpresas para mim mesma. Deixo o meu muito obrigada a todos os que me visitaram, comentaram ou somente leram meus relatos, se sentindo tocados pelas minhas palavras.

Após o verão, a vida continua com outono, inverno, primavera... e a oportunidade de refletir sobre a vida não é questão de uma estação só, mas deve ser contínua.

Graças ao desafio voltei a escrever sobre mim, coisa que eu tinha parado há anos, sem conseguir retomar com assiduidade. Espero guardar um espaço e a prática para fazê-lo regularmente.


Sendo assim, até breve!

A imagem veio daqui.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

A Suécia em imagens

Durante a minha visita à Suécia, pude registrar alguns belos momentos de belas paisagens, com uma luz fantástica.
Aqui, a cidade de Uppsala, ao norte de Estocolmo, onde fiquei hospedada.

Imagens com as quais eu respondo ao item 29 do Desafio Amantes do Verão: Uma paisagem de verão. Uma só, não, trago várias.

A catedral (acima), e a universidade de Uppsala, a mais antiga da Escandinávia, fundada em 1477.
 
 

O castelo de Uppsala, em tons de laranja, como muitos dos prédios por lá.


 

A estátua do casal rodopiando...linda.


E uma mensagem ecológica. Este é o estacionamento do lado da estação de trem. Somente bicicletas...muitas bicicletas. E o melhor é que muitas delas nem ficam amarradas, não precisam de cadeado nem nada!


A caminho de Estocolmo.

Mercado na frente do teatro nacional, em Estocolmo.


Cores vivas e contrastantes nos prédios de Estocolmo. Muitos são feitos com tijolinho aparente. Nos campos, muitas casas são construídas em madeira.


O mercado central, de peixes, carnes, especiarias do mundo e comidinhas.


Hora de aproveitar o sol.




Palácio real...


..ao lado do museu Nobel (do prêmio Nobel).


Guarda real. Reparem no chapéu dele, que lembra bem o chapéu dos Vikings, modelo reduzido.

Belíssima fonte, perto do palácio real. Parece que a mulher está se levantando das águas.

Detalhe da janela do palácio, o brasão sueco, com suas três coroas, representando os 3 reis magos, e a suprema coroa real sobre elas.


Leãozinho simpático, não? Eu achei tão fofo. Parece um gatinho.

Sala estival 1 - melão e presunto cru

O verão chegou! Pelo menos por aqui, é oficial. O calor ainda tá demorando a chegar, mas ele vai vir (tenho fé!). Enquanto isso, a gente se prepara comendo saladinhas e coisinhas gostosas, coloridas e cheias de vitaminas. Passei o ano quase todo tomando sopa, agora chegou a hora da mudança. Saladas estivais que servem de refeição completa, com folhas, legumes, frutas, castanhas, proteínas, molho, tudo o que temos direito.



Para começar, o clássico presunto cru e melão, num prato bem caprichado com:
  • alface,
  • berinjela grelhada num fio de azeite,
  • tomate cereja,
  • pimentão verde e vermelho em tirinhas,

Tudo isso arrumado num prato, com
  • melão picadinho,
  • e fatias de presunto cru.


Nem usei molho nem nada, porque os ingredientes já era saborosos e cheios de suco.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

O que fazer com doce de leite em barra?

Gente, precisa de uma ajuda.

Entre as minhas relíquias de contrabando trazidas pelos amigos e familiares brasileiros e outras compradas por lá, encontrei uma barra de doce de leite.


Imagem tirada daqui.


Eu já não consigo comer doce de leite assim, puro, é açúcar demais para as minhas papilas gustativas. Então fique matutando o que eu poderia fazer com a pobrezinha, esquecida e abandonada no fundo do armário.

Eu sei que o doce de leite em creme eu posso servir com pão, torrada, crepe, waffles, com o que vier! Fiz até um mil folhas de doce de leite com nozes e mascarpone (que quebrou um pouco o açúcar). Mas e o em barra???

Sei também que a goiabada pode ser derretida, com um pouquinho de água (isso é uma solução para outra parte dos meus problemas, porque eu tenho 3 potes de goiabada, mas não tenho pressa em usá-los, com ela as receitas afloram facilmente). Mas o doce de leite em barra pode ser derretido para virar creme? O que fazer com ele?

Alguém tem alguma sugestão de receita em que eu possa usá-lo? Prometo fazer e mostrar aqui depois.

Obrigada a todos!

(Ah, se todos os meus problemas fossem tão difíceis quanto este! rs)

Suécia em comidas

Sobre a minha viagem à Suécia, apresento aqui a parte gastronômica do meu roteiro. Não tive muito tempo para isso, acabamos comendo alguns dias no Burger King, num restaurante mexicano, um bom prato de massa, coisas do tipo. Mas no último dia, eu e meu colega de trabalho nos demos ao luxo de provar uma verdadeira refeição sueca. E adoramos!

Este foi o nosso jantar típico sueco, ainda em Estocolmo, com sua cidra de pera.

O prato principal, é o Pyttipana, o picadinho sueco de batata, num molho cremoso de cebola, servido com fatias de carne ...

...ou com carne em pedacinhos e um ovo estrelado, acompanhado de beterraba e pepino.

Aqui bebe-se muito este tipo de água "vitaminada", aromatizada com frutas. Quase não tem açúcar, é muito refrescante, sem gás, substitui perfeitamente os refrigerantes, pelo menos para mim que não sou fã deles. Esta tinha o sabor de manga.


Para acompanhar, um docinho. Um biscoito macio, meio bolo, meio puxa-puxa, talvez com aveia, coberto por uma mousse de chocolate (que tinha uma pontinha de sal, perfeita!) e coberta com uma casquinha de chocolate.



E algumas delícias nas vitrines das confeitarias!


A Suécia me rendeu bons frutos. Gastronomicamente falando.
Trouxe alguns produtos para relembrar um pouco e para desfrutar ainda mais dos prazeres que a região nos proporciona.

Primeiro, a cidra de pera. Bem pouco alcoolizada, suave, refrescante, servida num copo com bastante gelo. Parece um refrigerante de pera. Melhor do que a outra que eu provei no restaurante.

Depois, o bolo de canela, tipo um rolinho. KanelBullar, que lava canela e cardamomo. Delicioso e encontra-se em toda esquina. Serve-se com café, como o nosso bolinho de cada dia.

Trouxe algumas especiarias, como endro (aneto ou dill), alecrim seco e um saquinho, que eu pensei que fosse de sementes de mostarda, mas não, era pimenta do reino.

E para que o meu namorado também pudesse aproveitar um pouco do que eu descobri por lá, resolvi fazer um jantar sueco adaptado, respeitando ao máximo as receitas e os ingredientes tradicionais.

O menu:
Entrada: canapés de salmão defumado ao molho de endro (aneto/dill)
Prato: Pyttipana (o picadinho sueco)
Sobremesa: sopa de frutas vermelhas com sorvete de baunilha
Bebida: cidra de pera (que eu trouxe de lá)

Receitas e fotos em breve!

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Restaurante em Lille

Restaurante L'Avant Scène, com o chef Ludovic Blancart.

Esta foi a minha segunda vez no restaurante. Da primeira vez, eu gostei muito, prometi a mim mesma de repetir a dose. A ocasião chegou, no jantar de despedida da minha mãe, que voltou para o Brasil após algumas semanas de férias aqui comigo. Não me arrependi. Voltarei mais vezes. E recomendo a qualquer um que esteja de férias ou de passagem por Lille.

Este  também é o meu primeiro post sobre restaurantes. Mas achei que este merecia a oportunidade de aparecer no blog. Se algum outro merecer, falarei dele também.

Todos os pratos são feitos pelo chef em pessoa, no momento do pedido, com produtos frescos e saborosos. A cozinha é separada da sala por uma parede de vidro, e podemos acompanhar a execução de todos os seus pratos.

O restaurante fica numa área calma e residencial, a dois passos do centro da cidade. Na frente, algumas mesinhas são postas na praça para que os clientes desfrutem do sol e da paisagem.

Entrada 1: camarão empanado, aberto ao meio, tipo borboleta, servido sobre guacamole (se quiserem ver, tenho uma boa receita aqui) e um molho de tomate bem temperado, salada.Os camarões bem crocantes, suavemente dispostos sobre uma guacamole, que estava sem muito tempero, mas boa. Para completar, em volta tinha um molho de tomate mais temperado que eu adorei.



Entrada 2: torta de Maroilles (o queijo forte do norte da França, para conhecer melhor, ver este post aqui com torrada e cebola caramelizada ou nesta pizza junto com palmito), salada. A torta de Maroilles é um clássico! A massa folhada estava bem crocante, bem saborosa, com o recheio delicioso de queijo, bem douradinho por cima.


Prato (pedimos o mesmo): Filé de "Bar" (Robalo) ao forno com risoto cremoso de cogumelos e redução de vinho tinto.



O filé de peixe estava macio como eu nunca vi, bem úmido, a pele se soltava com facilidade, o tempero bem suave para contrastar com o risoto. O risoto estava perfeito, bem temperado, os cogumelos conferem um sabor bem forte, terroso, boa combinação. A redução de vinho tinto, com pedaços de cebola estava muito saborosa, e ficou muito bem com o risoto, além de complementar o sabor do peixe. Por cima do peixe, alguns brotos de alho-poró. Ficou bem bonito. Para o peixe, procurei a tradução (bar), achei robalo, mas não tenho certeza.

Além de ter muito bom gosto, o chef é uma simpatia, aceitou sem problemas tirar foto conosco (como foi em um dia de semana, a sala estava meio vazia).


Restaurante L'Avant Scène, com o chef Ludovic Blancart. Place Phillippe Lebon, n°8 - Lille 59000 França.

PS: não estou ganhando nada com este post, muito menos tive desconto no restaurante.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...