segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Tartare de salmão marinado

Em outubro deste ano, quando eu estava participando de um congresso em Nice, no sul da França, tive a oportunidade de jantar num restaurante muito chique. Dos pratos que foram servidos, um deles me chamou a atenção, um tartare de salmão marinado com hortelã.

Para exercitar a minha memoria e desfrutar de um prato delicioso, resolvi tentar refazer em casa.

Antes de começar, quero dizer que o paladar da gente evolui. E não é porque eu detestava cebola quando era criança, que continuo detestando hoje. Pelo contrário. Hoje eu aprendi a usar e a gostar.

O mesmo aconteceu com peixe cru. Antes comer peixe cru não podia passar pela minha cabeça. Há algum tempo, comecei a comer peixe defumado. E de lá para comer peixe cru foi um pulo! Ainda estou na fase "salmão". Outros peixes ainda não passarem pela minha aprovação.

E, imaginem só, esta semana eu resolvi fazer peixe cru em casa! Fica muito bem para um jantar mais chique, ou uma ceia de Natal ou de Ano Novo.

O tartare é uma forma de comer carne de boi ou de peixe crua, cortada em pedacinhos, e bem temperada. Geralmente com torradas. O contraste (crocante x macio) das texturas é bem interessante.



Para este prato usei:
1 filé de salmão, retirei a pele e cortei em pedaços bem pequenos
1 echalota cortada em pedaços minúsculos (se não tiver, 1 dente de alho amassado ou picado serve)
algumas folhas de hortelã cortadas em pedaços bem finos
2 colheres de sopa de óleo de gergelim (não consigo imaginar um substituto, talvez um bom azeite, ou óleo de nozes, avelãs, algo assim)
gengibre em pó
sal (usei sal grosso moído na hora, pode ser flor de sal)
pimenta do reino

Misturei tudo e deixei marinando uma noite na geladeira.


Servi bem fresco, com torradas, por cima de um abacate cortado ao meio (salpiquei um pouco de sal por cima). Cortei só um pedacinho na base para que ele não ficasse caindo. Se eu tivesse, teria colocado algumas gotas de limão, mas somente na hora de servir.

Prato aprovadíssimo lá em casa! Da próxima vez, testo com o limão também.

Outras receitas com salmão aqui:

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Filé de porco enrolado no bacon assado no forno

Esta é uma sugestão de preparo de carne de porco (usei filé) no forno, de uma forma que a carne fica macia e saborosa e sem ressecar.

Já fiz várias vezes em casa, acho que a carne fica deliciosa, macia, com um sabor delicioso. Nem tem receita de verdade.



Basta pegar a peça de filé de porco (pode usar lombo também, mas o filé por ser mais fino assa mais rápido), besuntar com mostarda (opcional).
Arrumar por cima dela uns raminhos de ervas frescas (usei tomilho e orégano da minha horta).
Depois, enrolar tudo com fatias finas de bacon defumado ou presunto cru (presunto de Parma ou outro).


Em seguida, levar ao forno a carne coberta com papel alumínio (eu uso uma forma com tampa e uma grelha, própria para o forno, onde a carne fica suspensa, sem contato com a gordura que fica pingando, eu falei dela aqui).
Depois de 1h, ou o tempo necessário para assar, retirar o papel (ou a tampa) e deixar mais uns 15 minutos para dourar.


Enquanto isso, a gente tem tempo de dar atenção às visitas.

Para acompanhar, fiz estas batatas cozidas empanadas.
Cozinhei as batatas com casca e tudo, cortadas em fatias no sentido do comprimento, no vapor.
Depois, passei na farinha de trigo (temperada com sal e ervas secas), no leite e de novo na farinha de trigo.
Fritei numa panela com um pouquinho de óleo até que ficassem douradas.


Outros pratos assados aqui:

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Foodanimé: Pasta de avelãs e chocolate (ou nutella caseira)

Quando eu vi estas animações, eu achei que tinha que compartilhar com vocês. Pedi autorização à dona do blog Je veux être bonne, a Hana Aouak, uma simpatia em forma de pessoa. Ela mesma faz estas animações, brincando com a comida de uma forma tão descontraída que nem precisa entender francês para gostar.

E aproveitando que o final do ano vem aí, com os presentes e as ideias de receitas para fazer para si ou para presentar, achei mais do que justo mostrar esta receita de nutella... ops!, pasta de avelãs com chocolate, feita em casa com todo o carinho.

Olha esta pasta de avelãs e chocolate, receita traduzida. Eu ainda não testei, mas achei que deveria compartilhar:



60g de avelãs
50 de cacau (e não chocolate, senão fica doce demais!)
50 de mel
80mL de leite (no máximo)

Torrar as avelãs;
Processar as avelãs, reduzindo-as em purê (depois dos pedaços, vem o pó, depois do pó, vem o purê, meio líquido mesmo - continue processando até chegar lá, mas lembre-se de que isso funciona melhor com as avelãs torradas);
Juntar o cacau, o mel e depois o leite;
Até a consistência desejada (dependendo dos ingredientes, talvez você não precise do leite todo, junte-o por último e progressivamente);
Juntar uma pitada de sal.

Esta pasta se conserva alguns dias na geladeira. Se você conseguir! ;)

Este vídeo é o primeiro de uma série, espero que gostem.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Xinxim de galinha

A BC Sabores de A ao Z está acabando, e esta é a última letra, a letra Z. Os países com Z são Zimbábue e Zâmbia. No final das contas, são países vizinhos, com praticamente a mesma culinária. Usa-se muito milho e amendoim nos pratos.

Como não achei nenhuma receita interessante para os ingredientes que eu tinha em casa, aproveitei que faz tempo que eu estou com vontade de refazer este xinxim de galinha. Esta receita baiana me impressiona pela semelhança com a cozinha africana, o uso do dendê, do amendoim, do camarão seco...

Queria muito ter usado camarão seco, mas eu não tinha. Sei que tem nas lojas de produtos chineses (eles também adoram o tal do camarão seco), quem sabe na minha próxima visita por lá eu compre. Tentei fazer uma vez com camarão fresco, mas francamente, achei que ele não acrescentou nada ao prato. Então desta vez eu fiz sem. Somente pelo prazer de comer o frango com o molho de amendoim, temperadinho com gengibre, dendê e leite de coco.

Para completar a refeição, fiz arroz com milho, homenageando mais uma vez os dois países africanos de uma só vez. E farofa de dendê, claro.

Então aqui vai o xinxim de galinha baiano mais africano que eu conheço. Usei esta receita aqui, modificando umas coisinhas.



Usei:
3 peitos de frango em cubos (pode ser coxa e sobrecoxa cortadas em pedaços)
suco de 1 limão
1 xícara de chá de amendoim (pode ser metade amendoim e metade castanha de caju)
1 cebola
1 lata de tomates pelados (juntei por minha conta para suavizar o molho)
200mL de leite de coco
sal, pimenta do reino
camarão seco (não tinha)
azeite de dendê
1 cubo de caldo de galinha

Passar no liquidificador o leite de coco, o extrato de tomate, a cebola, o amendoim (reservar alguns para enfeitar) e a pasta de alho e gengibre (e se tiver, a metade do camarão seco). Temperar o frango com sal e o suco de limão.
Dourar o frango no azeite de dendê. Juntar a mistura do liquidificador e o cubo de caldo de galinha. Quando ferver, baixar o fogo, mexendo de vez em quando, e deixar cozinhar por uns 15 minutos. Acertar o sal, a pimenta do reino (e juntar o restante do camarão seco, para quem tiver).

Servir com arroz 3 grãos (integral, selvagem e vermelho). E ainda incrementei o meu arroz, cozinhando junto com ele uma lata de milho verde.

Ficou uma delícia! Mas o molho de tomate deixou um gosto mais suave, perdendo assim um pouco do gosto marcante do xinxim de galinha. Prefiro sem.


Esta receita participada BC Sabores de A ao Z.

Blogagem coletiva

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Kasba - arroz de carne

Na BC Sabores de A ao Z da minha querida Sheila, apesar das letras estarem um pouco confusas agora no final do alfabeto, viajei com ela para o Yêmen.
A minha receita de hoje é um prato comum em vários países da região, "Al kabsa", que é um arroz temperado com o caldo de cozimento de uma carne (carneiro, boi ou frango), com direito a algumas especiarias, como canela, cravo, cardamomo.


Eu simplifiquei um pouco a receita que eu achei aqui.

Usei:
2 cebolas cortadas em meia-lua
150g de carne de boi cortada em cubos
150g de carne de porco cortada em cubos (espero que os muçulmanos não levem a mal a minha versão com porco)
70 de molho concentrado de tomate
1 pau de canela, 3 cravos, 3 vagens de cardamomo abertas
1 colher de chá de tempero Garam Masala (uma mistura de especiarias, que pode ser feita com pimenta do reino, cominho, canela, cravo, noz moscada e sementes de coentro. Colocar numa panela para aquecer os ingredientes, sem torrá-los. Depois passar no moinho ou no processador, até reduzir a um pó)
sal
óleo
200g de arroz
1/2 xícara de chá de passas
água

Começar dourando as cebolas no óleo, junto com os cravos, o pau de canela e as vagens de cardamomo. Deixar caramelizar e reservar. Deixar na panela os temperos, e colocar a carne para dourar. Quando estiver dourada, juntar as cebolas, colocar passas, o arroz, o extrato de tomate e um pouco de água para cozinhar a carne. Baixar o fogo, tampar a panela e deixar por 10 minutos.
Apos este tempo, retirar a carne, deixando o molho, colocar o arroz para cozinhar no molho. Colocar o dobro do volume de arroz de água fervente e as passas, e deixar cozinhar. Quando o arroz estiver quase cozido, ainda com um pouquinho de água no fundo da panela, juntar a carne reservada e misturar tudo. Desligar o fogo e servir quente.

 

Eu gostei. Não ficou tão gostoso com quanto este arroz marroquino, que mistura carne moída com frango desfiado e especiarias mas ficou bom.

Esta receita participada BC Sabores de A ao Z.

Blogagem coletiva

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Compota de cebola caramelizada com vinagre balsâmico

Antes de começar queria desejar um Feliz Natal para todos, com muita paz interior e harmonia. Agora vamos ao que interessa!

Eu já fiz uma vez esta compota de cebola roxa caramelizada com vinagre balsâmico faz um tempo. Ela também atende pelo nome de confit d'oignons.

Fica um luxo para colocar em cima de uma torradinha e servir com queijo brie, camembert, ou outro de sua preferência, ou com presunto cru (presunto de Parma ou de outras origens), ou com o famoso foie gras.

A receita rende bastante, e pode (deve) ser feita com antecedência. Basta guardar num frasco de vidro esterilizado na geladeira, e aguardar as festas chegarem.


Usei:
500g de cebolas roxas cortadas em meia-lua
2 colheres de sopa de manteiga
4 colheres de sopa de vinagre balsâmico
2 colher de sopa de açúcar

Levar ao fogo baixo (sempre!) a manteiga e as cebolas fatiadas. Deixar derreter a manteiga, depois caramelizar tranquilamente as cebolas, mexendo de vez em quando. Depois de uns 10 minutos, colocar o açúcar e o vinagre balsâmico. Deixar no fogo por mais uns 30 minutos, até que as cebolas fiquem murchas, caramelizadas, e coradas. Usar sempre o fogo muito baixo, se precisar coloque um pouquinho de água.


Guardar em frascos esterilizados.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Canapés de abobrinha com pimentão vermelho

Acho que todos aqui sabem que eu adoro abobrinha. Então quando eu vi estes canapés de abobrinha no blog Desde Minha Janela, da Rosângela, eu disse a mim mesma que era só uma questão de tempo para testar a receita. E este final de semana comprei uma abobrinha pensando que ela viraria lindamente uns belos canapés.

Para completar, como a BC das cores da Margarida, lá do Tachos vs Panelas, deste mês é verde e vermelho, num clima bem natalino, estes canapés de abobrinha com pimentão vermelho saíram quase que automaticamente da minha cozinha.



Para a base do canapé: retirei parcialmente a casca da abobrinha, cortei-a em fatias na diagonal, salpiquei um pouco de sal e deixei numa peneira para que ela solte bem a água. Deixei mais de uma hora. Depois, enxuguei com papel toalha para retirar o excesso de água, e grelhei na frigideira quente com um fio de azeite.

Para o recheio:
Aqueci na frigideira, sem nenhuma gordura extra, fatias de bacon defumado cortadas em pedaços. Numa tigelinha, misturei ricota (ou creme de ricota) com sal e pimenta do reino. Cortei 1 pimentão grelhado sem pele em fatias.

Montagem: para cada fatia de abobrinha, um pedaço de bacon, uma colherzinha de creme de ricota e uma fatia de pimentão vermelho.


Arrumei tudo numa bandeja, enfeitei com tomate cereja e uns ramos de brócolis, e fiz um prato de petisco leve, gostoso e bem diferente.



Este post participa da BC cores do arco-íris da Margarida, lá do blog Tachos vs Panelas.


Outros canapés diferentes aqui:

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Verrine de salmão defumado, abacate e ricota

Acho que este prato delicioso, chique e muito prático para ser servido no Natal. Pode-se preparar com antecedência e deixar na geladeira até o momento de servir.


Eu resolvi fazer dentro de copos do tamanho normal (300mL), para servir de entrada, ao invés de verrines como petisco, que são muito pequenas. Mas cada um pode fazer ao seu gosto.


Usei:
1 fatia de salmão defumado
1/2 abacate
2 colheres de sopa de ricota
100mL de iogurte natural
sal, pimenta do reino
azeite aromatizado com laranja (ver receita aqui)
óleo de gergelim
vinagre de framboesa (ou suco de limão)
cebolinha

Fiz uma primeira camada de abacate sem casca picadinho, temperado com um pouco de vinagre de framboesa (eu queria usar suco de limão, mas não tinha), sal, um fiozinho de óleo de gergelim (quando você provar este sabor, não vai querer substitui por mais nada, mas se não tiver, use um azeite de boa qualidade).

A segunda camada foi um creme feito com iogurte natural e ricota (ou creme de ricota), temperado com sal, pimenta do reino e um pouquinho de óleo aromatizado com laranja (ver aqui a receita).

Por cima, terminei com lascas de salmão defumado. E para enfeitar, um pedacinho de cebolinha.


Ficou uma entrada chique, fácil de fazer, refrescante. Acho que é uma boa dica para a ceia de Natal, Ano Novo ou festa em casa.

Outras receitas com salmão defumado aqui:

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Árvore de Natal de papelão decorada com bombons de chocolate

Para não dizer que não tem clima de Natal lá em casa, resolvi fazer uma árvore decorada.

A ideia surgiu vendo a embalagem de papelão grosso que veio cobrindo um livro que encomendei na internet. Quando eu ia jogar fora, desisti, pensando que ele tinha o tamanho ideal para uma pequena árvore de natal.


Desenhei o molde da árvore de natal em 2 pedaços iguais de papelão. Desenhei o pinheiro no primeiro pedaço de papelão, cortei e usei-o como molde para desenhar o segundo. Com os dois moldes cortados, tracei uma linha no centro de cada molde, cortei uma faixa estreita (da mesma espessura que o papelão) na linha do meio indo de baixo até o meio, e no segundo pedaço, indo do meio até em cima.


Assim eles podem ser encaixados, formando a árvore, sem precisar de nenhum suporte. Assim:
 
A ideia e as imagens vieram daqui.

Depois pintei-os com tinta acrílica verde, deixei secar um pouco, enquanto eu preparava a decoração. Amarrei bombons de chocolate coloridos (feito bolas) numa fita, e depois enrolei em volta da árvore.

Tão fácil quanto uma brincadeira de criança. Não me custou quase nada, e passei um pedaço da tarde me divertindo.


Estes copinhos são de argila, e ganhamos de brinde quando compramos umas garrafas de cachaça com frutas, uma vez em Recife. Resolvi pintá-los com motivos diferentes e coloridos (usei tinta acrílica) para depois colocar uma vela, ou bombons de chocolate, como agora.

Este post participa da BC Especial da Natal.


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Torta vitrificada de pêssego

Este mês, para a nossa Blogagem Coletiva Comer bem para viver melhor, a fruta escolhida é pêssego ou nectarina. E como hoje é meu aniversário, resolvi fazer uma torta bem bonita para mim mesma.



Esta receita eu fiz pela primeira vez há uns 10 anos, para o meu aniversário. E como ela fez um sucesso enorme, tanto pelo visual quanto pelo sabor, eu refiz no mesmo ano e nos anos seguintes para as festas de final de ano com a família.

Eu não sei se eu a encontrei na televisão, numa revista, ou numa embalagem de leite condensado. O fato é que eu decorei a receita, e fiquei especialista no assunto.

Esta sobremesa tem uma base de biscoito, um creme de leite condensado, frutas por cima (pêssego, morango, uva, kiwi, ou o que quiser) e tem uma gelatina transparente por cima que dá um efeito vitrificado (a calda do pêssego com gelatina transparente e sem sabor).

Desta vez, eu mudei a base (esqueci de comprar biscoito, então usei massa de torta), e usei somente pêssego nas frutas. Confesso que prefiro com a base de biscoito, e com as frutas citadas acima, mas como a BC era de pêssego, testei somente com ele para ver no que ia dar.

Usei na massa:
125g de manteiga
1 ovo
farinha de trigo
2 colheres de sopa de açúcar
1 pouquinho de água gelada (pouquinho mesmo)
Para o recheio:
1 lata de leite condensado
1 lata de leite (a medida da lata)
2 gemas
1 colher de chá de extrato de baunilha
2 colheres de sopa rasas de farinha de trigo (sem fermento!, ou então maisena)
Para a cobertura:
1 lata de pêssego em calda (fatiar os pêssegos e reservar a calda)
2 folhas de gelatina transparente sem sabor (ou 1 pacotinho)

Começar fazendo a massa. Misturar todos os ingredientes, menos a farinha de trigo. Juntar a farinha aos poucos até que a massa comece a soltar das mãos. Fazer uma bola, enrolar com filme plástico e levar à geladeira por pelo menos 30 minutos. Abrir a massa numa assadeira (se for forma de aro removível, melhor), fazer uns furinhos com um garfo e levar ao forno preaquecido para assar completamente.


Fazer o creme com todos os ingredientes na panela, até ferver. Quando ferver e engrossar, desligar o fogo e reservar.

Fazer a montagem da torta, colocando o creme sobre a base e as fatias de pêssego por cima.


Levar a torta ao congelador enquanto prepara a gelatina. Esta dica eu aprendi na prática, pois quando as paredes da forma e a própria torta estão frias, a gelatina se solidifica rapidamente em contato com as partes frias, evitando que se misture com o resto.

Preparar a gelatina de acordo com as instruções da embalagem e misturar com a calda do pêssego. Colocar a gelatina por cima das frutas, e levar à geladeira até que fique completamente firme.


Quem quiser prepara a base de biscoito, basta misturar 200g de biscoito triturado bem fino com 100g de manteiga gelada em pedaços até formar uma farofa. Cobrir uma assadeira com esta farofa, começado pelas bordas, e apertando bem para ficar firme. Levar ao forno por 5 minutos (cuidado para não queimar).

Esta receita participa da Blogagem Coletiva Comer Bem para Viver Melhor. Fruta da semana: pêssego ou nectarina.


Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Tofu e legumes salteados no wok

Para BC da Sheila, Sabores de A ao Z, do mesmo jeito que a letra X de Xina que eu mostrei neste Arroz Cantonês, resolvi inventar um país com a letra W, o Wietnã, que representa simplesmente o Vietnã.

A receita veio deste site, receita vietnamita da vovó, coisa que a gente não encontra nos restaurantes, mas sim na casa das pessoas, um tofu frito com cebolinha. Eu acompanhei de legumes salteados no wok.



Usei:
200g de tofu em pedaços (usei seco, mas pode ser fresco, desde bem drenado, usar um papel toalha para retirar o excesso de água)
molho de soja, ervas e temperos para marinar o tofu (é isso que vai dar mais sabor, eu usei ervas de provença e páprica doce)
cebolinha picada
óleo + óleo de gergelim (só uma gotinha deste último para perfumar o prato)
cenoura cortada em lascas
alho-poró cortado em pedaços
cogumelos em pedaços (usei shitake seco, hidratado em água fervente)

Na véspera, marinar o tofu no molho de soja com as ervas e temperos que quiser.

No dia, hidratar os cogumelos shitake e preparar os legumes. Retirar o tofu da marinada, colocar numa peneira, mas guardar o molho que sobrar para depois.


Aquecer uma panela tipo wok, colocar o óleo e o óleo de gergelim, fritar os pedaços de tofu com cuidado para não quebrarem, sem mexer muito na panela.
Na mesma panela, colocar o alho-poró, os cogumelos e a cenoura. Deixar refogar um pouco em fogo alto. Juntar o molho da marinada do tofu, um pouco de molho de ostra, e mais molho de soja, se precisar. Tampar e baixar o fogo, deixando cozinhar por alguns minutos, até que a cenoura fique cozida, mas ainda crocante (al dente).


Servir o tofu com os legumes e arroz. Eu fiz um mix de arroz integral, vermelho e selvagem. E cebolinha por cima (coloquei depois da foto).


Esta receita participa da Blogagem Coletiva Comer Bem para Viver Melhor. Legume da semana: cenoura.


Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Escondidinho de macaxeira com charque

Este é um prato único delicioso e com sabores que lembram o meu Brasil. Já fiz algumas vezes, mas antes do blog. Como na minha mala de volta do Brasil eu tinham alguns pacotes de charque, resolvi usá-los de forma digna.

Nada melhor que um escondidinho de macaxeira com charque, ou de mandioca com carne seca. Ou de aipim, como quiser chamá-lo.



As quantidades dependem de cada um. Eu usei um pouco mais de 1kg de macaxeira para 750g de charque.

Comecei dessalgando a charque: para isso basta cortá-la em pedaços grandes, colocar para ferver, retirando a água e repetindo o processo 3 vezes. Depois, na panela de pressão, cozinhá-la por 30 minutos. Esperar esfriar e desfiar a charque toda, retirando o excesso de gordura.

Descascar a macaxeira, cozinhá-la em água com sal até que fique macia. Escorrer a macaxeira, reservando a água do cozimento (não jogue fora, ela vai ser usada para o purê de macaxeira). Amassar a macaxeira com o garfo, ou passando pelo espremedor de batatas. Juntar água do cozimento até dar o ponto de purê. Temperar com sal, pimenta do reino e noz moscada.
Refogar a charque no óleo ou azeite com 2 cebolas picadas. Deixar ficar bem dourada. Juntar salsinha e cebolinha picadas e desligar o fogo.

Num refratário que possa ir ao forno, fazer uma camada de purê de macaxeira. Colocar por cima a charque refogada, fazendo uma camada generosa. Distribuir queijo ou requeijão cremoso e cobrir com o restante do purê de mandioca. Colocar mais queijo em cima e levar ao forno para gratinar.




No início do blog eu fiz um escondidinho parecido, com purê de batata, frango desfiado e ricota. Até hoje é uma das receitas mais acessadas do blog. Já viu? Então olha aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...