sexta-feira, 17 de maio de 2013

Carne de porco ao molho de ameixas

Para a BC Comer Bem para Viver Melhor deste mês, escolhemos fazer uma receita com frutas secas. Eu usei ameixas secas. Já fazia um tempo que eu queria preparar este prato, mas sempre aparecia outro na frente. Mas a receita caiu muito bem com o tema da BC, então resolvi preparar.

Eu tinha na geladeira umas ameixas secas que precisavam serem usadas e quase meia garrafa de um vinho tinto que foi meio que esquecido. Resolvi usar carne de porco porque acho que ela vai bem com um toque doce. Mas pode ser substituído por carne de frango ou de peru.

Quem tiver em casa um cálice de vinho do porto sobrando e quiser adicionar ao molho, garanto que ele ficará ainda melhor. E para os que forem mais pacientes, ou prevenidos preparando o prato na véspera, saibam que este molho no dia seguinte fica uma perdição! Mais encorpado e mais delicioso do que quando preparado no dia.


Ingredientes:
2 xícaras de chá de ameixas secas
300mL de vinho tinto
500g de de bifes de carne de porco
1 colher de sopa de pasta de alho e gengibre
1 cebola grande picada
200g de tomates pelados picados (meia lata, ou 3 tomates médios)
caldo de carne (1 cubo dissolvido em 300g de água)
azeite

Na véspera, deixar as ameixas de molho no vinho tinto.
Dourar os dois lados dos bifes no azeite quente. Reservar. Na mesma panela, colocar a pasta de alho e gengibre e deixar dourar levemente. Juntar a cebola picada e deixar refogar um pouco. Juntar as ameixas com o vinho tinto e deixar evaporar um pouco. Juntar a carne reservada, os tomates pelados picados e cobrir com o caldo de carne. Deixar o molho apurar uns 30 minutos no fogo médio. Mas se tiver tempo, prepare o prato na véspera. O molho fica ainda mais saboroso e encorpado no dia seguinte.

Eu servi com batata bolinha cozida no vapor e depois passadas na panela com azeite quente para dourar.



 

Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Berinjela recheada

Berinjela recheada com carne moída não é novidade pra ninguém. Cada um tem a sua receita, e eu mostro aqui a minha.

Para mim, a berinjela recheada perfeita é aquela que se desmancha na boca, que a casca não oferece resistência ao corte, é macia e bem temperada.

O segredo para isso, na minha opinião, é assar a berinjela no forno baixo antes de rechear.
O recheio geralmente é de carne moída, que pode receber várias especiarias (como cominho, canela, coentro), e para dar a liga, pode-se usar ovo, ricota (como eu faço), ou farinha de trigo.
A cobertura é opcional, mas esta cobertura de tomates (tomates pelados picados) dá um sabor especial. Os tomates podem ser temperados, como para fazer um molho caseiro, com alho, cebola e manjericão. E por cima, podemos colocar queijo parmesão ralado, amêndoas, nozes...


Usei:
2 berinjelas grandes
500g de carne moída
250g de ricota
2 dentes de alho picados
1 cebola picada
1 pitada de cominho em pó
coentro picado
sal, pimenta do reino
200g de concassê de tomates (tomates pelados picados)
queijo ralado
azeite

Cortar as berinjelas ao meio, retirar parte da polpa, abrindo uma cavidade como uma canoa. Picar a polpa e reservar. Salpicar sal por cima da berinjela e deixar descansar uns 20 minutos. Enxugar a berinjela (ela vai soltar bastante água) com um papel toalha e levar ao forno por 30 minutos.


Enquanto isso, preparar o recheio. Dourar o alho no azeite, juntar a cebola. Quando estiver dourada, juntar a carne moída, o sal, a pimenta do reino e o cominho. Refogar até que a carne esteja sem nenhum pedacinho vermelho. Juntar a polpa da berinjela picadinha, misturar tudo e deixar cozinhar em fogo baixo. A polpa da berinjela vai soltar água e vai cozinhar junto com a carne. Depois de 10 minutos, desligar o fogo. Juntar a ricota, tempera com coentro picado.

Retirar a berinjela do forno, rechear com a carne moída, cobrir com um pouco de tomate e colocar por cima o queijo ralado. Colocar as berinjelas de volta no forno para gratinar.




 

Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.



terça-feira, 14 de maio de 2013

Salada completa de lentilha, berinjela, frango e tomate seco

Sempre que posso (e que eu lembro), eu uso leguminosas para enriquecer as refeições. Agora com os dias mais longos e as temperaturas mais amenas, o corpo pede refeições mais leves, como saladas. Mas não aquelas saladinhas básicas de alface. Saladas nutritivas, que são uma refeição por inteiro.


Esta aqui levou:
1 xícara de lentilhas verdes
1 berinjela
100g de tomates secos
1 cebola cortada em rodelas
1 colher de sopa de manteiga
150g (1 peito) de frango desfiado (aproveite o cozimento do frango para fazer este caldo de frango caseiro)
rúcula

Começar cozinhando as lentilhas em 4 xícaras de água e uma folha de louro. Quando elas estiverem macias, escorrer a água e reservar.
Cortar a berinjela em rodelas, salpicar sal, e deixar descansar. Depois de uns 20 minutos, enxugar as rodelas de berinjela com papel toalha.
Numa frigideira de fundo grosso ou numa grelha, derreter a manteiga, juntar as rodelas de cebola e deixar até que fiquem caramelizadas. Reservar.
Na mesma panela, sem acrescentar nenhuma gordura, grelhar as rodelas de berinjela. Quando ela estiver dourada de um lado, virar e deixar dourar do outro. Cortar em pedaços menores e reservar.


Misturar a lentilha cozida com a cebola caramelizada, a berinjela picada, os tomates secos picados e o frango desfiado.

O molho de mel e mostarda levou:
1 colher de sopa de mel
1 colher de sopa de mostarda de Dijon
2 colheres de sopa de vinagre de maçã
1 colher de sopa de azeite
sal, pimenta do reino

Fazer o molho misturando todos os ingredientes.


Colocar a rúcula no prato, arrumar a salada de lentilha por cima e regar com o molho.



 

Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Berinjela caprese

Para começar a BC Comer bem para Viver melhor, eu trouxe uma receita simples e deliciosa de berinjela. A Marisa Vlasic, do blog Sabores da Vida, trouxe esta berinjela caprese, e eu gostei tanto que fiz em casa.

Coisa simples, mas é um prato delicioso.


Basta cortar uma berinjela em fatias não muito finas, salpicar sal e deixar descansar 20 minutos. Depois disso, enxugar a berinjela com papel toalha e grelhar as rodelas em uma frigideira de fundo grosso ou uma grelha, dos dois lados, sem juntar nenhuma gordura.
Arrumar as fatias de tomate, de berinjela grelhada e de muçarela (de boa qualidade) num prato, regar com um bom azeite, flor de sal (ou sal grosso moído) e pimenta do reino moída na hora.

Eu ainda joguei umas folhinhas de orégano por cima.


Leve e delicioso.



 

Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável.




sexta-feira, 10 de maio de 2013

Torta de banana com especiarias

Esta é a segunda vez que eu faço esta torta. A primeira ficou tão boa que desapareceu antes que eu pudesse tirar uma foto. Mas desta vez eu consegui!

A minha inspiração foi esta torta de banana da minha querida Sheila, do blog Cozinha de Mulher. A torta dela ficou tão bonita que não saiu da minha cabeça até conseguir prepará-la. E agora eu que provei, não quero fazer de outro jeito. Este bolo é um dos melhores que eu já fiz. A casquinha crocante de caramelo com sabor de banana que se forma nas laterais é deliciosa!


A massa que eu usei foi a minha clássica do bolo de iogurte, que já apareceu por aqui muitas vezes. Como eu sempre tenho bastante iogurte natural em casa, gosto da facilidade do preparo e principalmente do sabor do bolo, eu repito sempre a mesma receita, seja com bolo doce ou com bolo salgado. Eu sou assim, quando cismo com uma receita, faço a mesma receita usando todas as variações possíveis. Desta vez, usei umas especiarias que eu acho que combinam muito bem com a banana.

Vamos à receita:
5 bananas maduras cortadas em fatias ou em rodelas (usei 5 bananas pequenas, mas a quantidade deve ser o suficiente para cobrir o fundo da forma)
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de água
uma pitada de canela

Fazer um caramelo com o açúcar, a água e a canela. Levar tudo ao fogo numa panelinha, ou na própria forma onde o bolo vai ser preparado (se a forma suportar o calor direto). Deixar aquecer em forno médio, sem mexer com a colher, até formar um caramelo claro. Colocar a calda na forma e arrumar as fatias de banana por cima.

Eu acho mais fácil preparar o caramelo assim do que derreter o açúcar e somente depois colocar a água.


Prepara a massa do bolo:
2 potes de iogurte natural (usar o pote como medida)
1 pote de óleo
2 potes de açúcar
4 ovos
1 colher de chá rasa de cada uma das especiarias: canela, noz-moscada e gengibre em pó
1 saquinho de açúcar de baunilha (ou essência de baunilha)
3 potes de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Com um batedor de arames (fouet), bater bem o iogurte com o óleo. Juntar o açúcar. Misturar os ovos um de cada vez, batendo bem entre eles. Juntar as especiarias e o açúcar de baunilha. Juntar a farinha de trigo aos poucos, batendo bem. No final, juntar o fermento e misturar delicadamente. Deitar a mistura sobre as bananas, na forma caramelizada. Levar ao forno até assar (teste do palito).



Da primeira vez que eu fiz a receita, o bolo não grudou nadinha na forma. Era uma forma mais rasa e redonda. Mas da segunda vez (uma forma mais funda e de buraco), ele grudou um pouco na parte que não foi melada pelo caramelo. Alguém sabe se é preciso untar a forma antes de caramelizar? Ou talvez tenha sido a quantidade de caramelo que não foi suficiente para o tamanho da forma?

Se alguém tiver uma ideia do problema, agradeço pela ajuda!

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Torta de aspargos e queijo parmesão

A revista Marmiton que eu comprei este mês trazia várias receitas com aspargos. Me inspirei numa delas para fazer esta quiche ou torta de aspargos e queijo parmesão.


Comecei fazendo a massa. O problema foi que eu esqueci de compra manteiga, e só tinha um pouquinho em casa. Resolvi fazer metade manteiga, metade azeite. E o resultado foi excelente!


40g de manteiga
40g de azeite
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 ovo
250g de farinha de trigo (um pouco mais ou um pouco menos)
1 colher de sopa de água fria

Misturar a manteiga, o azeite e o ovo com metade da farinha. Misturar bem e juntar o restante da farinha aos poucos, até a massa formar uma bolo. Juntar a água fria e misturar bem a massa em forma de bola. Enrolar a bola de massa com um papel filme e deixar descansar na geladeira por 1h.

Enquanto isso, fazer o recheio:
500g de aspargos frescos
250g de ricota
100g de queijo parmesão de boa qualidade cortado em lascas
3 ovos
1 xícara de chá de leite
sal, pimenta do reino, noz-moscada
queijo para gratinar

Cortar a base fibrosa dos aspargos e descartar. Descascar os talos dos aspargos, cortar as pontas (uns 10cm), e picar o restante. Cozinhar em água fervente até que fique macio. Reservar as pontas para a decoração e o restante para o recheio.
Misturar a ricota, o leite, os ovos, o queijo parmesão. Temperar com sal, pimenta do reino e uma pitada de noz-moscada. Juntar os aspargos picados. Reservar.

Abrir a massa numa forma para tortas. Furar com um garfo e levar para assar até que a massa fique firme, mas retirar do forno antes que ela fique dourada. Espalhar o recheio por cima, arrumar os aspargos reservados, o queijo e levar ao forno para assar o recheio (teste do palito).

Servir quente com uma salada de folhas.

 

Frutas secas - 18/05: BC Comer Bem para Viver Melhor

A fruta escolhida este mês para a nossa Blogagem Coletiva Comer Bem para Viver Melhor é fruta seca.

Fruta é toda aquela fruta que foi seca, tanto naturalmente quanto por meio de uma máquina, como um desidratador alimentício. Passas, ameixas secas e tâmaras são exemplos de frutas secas consumidas popularmente; outras frutas que costumam ser secas são maçãs, damascos, bananas, oxicocos (cranberry), figos, kiwis, mangas, asiminas, pêssegos, peras, caquis, abacaxis, morangos e tomates. Além de frutas inteiras secas, um purê de frutas também pode ser seco, em camadas, para criar uma espécie de "couro" de fruta.

A secagem conserva a fruta, mesmo na ausência de refrigeração, e aumenta significantemente a sua vida útil. Quando a fruta fresca não está disponível, não pode ser obtida ou não está na época, a fruta seca é uma alternativa. Costuma ser adicionada à misturas assadas ou misturadas a cereais.

Como a fruta fresca, a fruta seca também pode ser rica em vitaminas A, B1, B2, B3, B6, ácido pantotênico e sais minerais (cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio, cobre, manganês).1 2

Como a desidratação pode resultar numa perda de até sete oitavos do total de água, as frutas secas costumam ter um sabor mais forte do que as frescas. Secar uma fruta, no entanto, também destrói a maior parte da vitamina C presente nela.

Frutas secas preparadas comercialmente podem conter dióxido de enxofre, que pode provocar asma em indivíduos suscetíveis; frutas secas sem o dióxido de enxofre já são disponíveis. O enxofre é adicionado para proteger a cor e o sabor da oxidação. Frutas secas "orgânicas" são produzidas sem a substância, o que resulta numa fruta mais escura, e num sabor mais oxidado, que pode ter o gosto de chá seco. A cor de algumas frutas também pode ser ajustada até certo ponto, com pouco impacto no sabor, através do tratamento das frutas frescas recém cortadas com um preparado rico em vitamina C (como uma mistura de água e suco de limão) alguns minutos antes do processo de secagem ser iniciado.

Recentemente tem havido uma tendência crescente na venda de frutas secas "prontas para comer"; estas frutas são armazenadas em embalagens fechadas a vácuo, para melhor preservá-las. Ameixas e damascos preparados desta maneira não guardam a textura característica da fruta seca da maneira tradicional.

Fonte: Wikipédia.

As frutas secas aqui em casa são consumidas puras ou em preparações tanto doces quanto salgadas. Eu costumo usar uva-passa, ameixa e damasco.

Confira aqui as receitas salgadas com frutas secas:

E agora, as receitas doces:

Manjar branco com calda de ameixa e calda de maracujá
Bolo de noiva pernambucano
Compota de frutas secas
Folhados de queijo com damasco e mel
Granola caseira

Quer participar? Basta nos mandar o link de uma receita já publicada no seu blog com frutas secas (ameixa, uva-passa, damasco, tâmara, etc.) até o dia 18/05 ou publicar uma nova no dia 18/05.



 

Organização da BC Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável. 

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Verrine de aspagos e pimentão

Esta receita eu vi na revista Marmiton deste mês, e eu a modifiquei ao meu gosto.


Aproveitei para usar um vidro de aspargos que eu tinha em casa. Mas deve ficar ainda melhor com aspargos frescos. E já que estamos na primavera, podemos encontrá-los frescos no mercado.

A entradinha foi um sucesso lá em casa, com direito a muitos elogios. Perfeito para fazer em jantares com os amigos, pois pode ser preparado com antecedência e deixado na geladeira. Fica uma entrada fresca, leve e saborosa.


Vou passar quantidades indicativas, mas a quantidade de ingredientes vai do gosto de cada um.

Ingredientes para 8 verrines (pequena porção, serve de petisco) ou 4 copos (porção maior, serve de entrada):
8 pontas de aspargos brancos ou verdes, frescos ou em conserva (eu usei 1 vidro de aspargos brancos em conserva, bem pequenos e finos)
2 pimentões, 1 amarelo e 1 vermelho (usei 2 amarelos)
8 fatias de presunto cru (opcional)
3 iogurtes naturais (uns 400g no total)
suco de 1 limão
azeite
alho
sal, ervas, pimenta do reino
pimenta mais forte (opcional)

Cortar o pimentão em fatias, retirar as sementes e levar ao forno com a casca para cima. Quando a casca estiver escura e formando bolhas, retirar do forno e deixar descansar num saco plástico ou num recipiente fechado. Depois de 10 minutos, com o pimentão frio, retirar a pele (ela deve sair facilmente). Cortar o pimentão em lâminas, regar com azeite, juntar o alho amassado e deixar marinar por uns 30 minutos.

Se os aspargos forem frescos, cortar as pontas (uns 10 cm, usar o resto em outra receita), cozinhar em água fervente por alguns minutos até que estejam macios. Reservar.

Misturar o iogurte com o suco de limão, o sal, as ervas e a pimenta do reino. Se quiser dar um sabor mais acentuado, colocar um pouco de pimenta.

 

Para a montagem nos copinhos: alternar as camadas de pimentão, creme de iogurte, lascas de presunto cru, até terminar os ingredientes. Finalizar com os aspargos. Salpicar cebolinha por cima e servir.

 

Berinjela - 11/05 ao 17/05: BC Comer Bem para Viver Melhor

A Blogagem Coletiva Comer Bem para Viver Melhor deste mês traz como legume a Berinjela (grafia do português brasileiro), ou Beringela (grafia do português do Portugal).

A Berinjela é o fruto de uma planta originária da Índia, e que pertence à mesma família que o pimentão e o tomate. De polpa macia e de pele lisa e lustrosa, a variedade mais comum é a grande e roxa, ou vermelho escuro, mas existem também na cor branca, embora seja raro.

A berinjela é rica em proteínas, vitaminas (A, B1, B2, B5, C) e minerais (cálcio, fósforo, ferro, potássio, magnésio).

Os naturalistas recomendam o seu consumo para prevenir alguns males referentes ao fluxo sanguíneo. Alguns estudos apontam sua eficácia no controle do colesterol. Também é recomendada nos casos de artrite, apresentando bons resultados na gota e no reumatismo, bem como na diabetes e nas inflamações da pele em geral.

É também muito digestiva, nutritiva e laxante, por esse motivo é indicada nos casos de desnutrição, indigestão e prisão de ventre. O consumo da berinjela está também indicado para problemas do fígado e do estômago.

As melhores berinjelas são as de estrutura firme e cascas bem brilhantes. As opacas e amolecidas já estão velhas e perderam um pouco suas propriedades nutricionais.

Pode ser usada no preparo de pratos como o cuscuz, suflê, torta, salada, recheada, entre outras várias formas na cozinha. Também é muito boa para fazer lasanha. Cozida, frita, assada ou grelhada, a berinjela combina bem com pimento, tomate, cebolas e azeitonas, tornando-se um ótimo acompanhamento para carnes grelhadas e assadas. Também se podem fazer gostosas porções com vinagre com sabor característico. Com a berinjela, é possível se fazer tortas de sabor agradável. Se guardada dentro do frigorífico, num saco plástico, dura de uma a duas semanas. Para retirar o gosto amargo que a caracteriza, corte-a ao meio, esfregue com sal e escorra, ou deixe-a aberta coberta com água e sal, limão ou vinagre, durante, pelos menos, 15 minutos. Escorra em seguida e seque com papel absorvente. Uma boa maneira de aproveitar todas as suas propriedades sem sentir o sabor amargo do fruto é cortá-lo em cubos e misturá-lo ainda cru ao alimento, no momento da refeição.

Fonte: adaptado de Wikipédia.

Olha só tudo o que já foi publicado com este legume aqui no blog:
Quer participar da BC? Basta publicar uma receita com berinjela do dia 11 ao dia 17 de maio, ou então nos mandar o link de uma receita com berinjela já publicada no seu blog.

Aguardamos a participação de vocês do dia 11 ao dia 17 de maio!



 

Organização da BC  Comer bem para viver melhor: eu mesma Kati, a Josy, a Ana Cláudia e a Margarida, em campanha para uma alimentação mais saudável. 

terça-feira, 7 de maio de 2013

Caracol folhado de queijo e presunto (ou palmier)

Antes de começar, queria dizer que eu estou ausente dos blogs vizinhos, mal respondo aos comentários daqui do blog por falta de tempo mesmo! De vem em quando arranjo um tempinho para cozinhar, mas coisas rápidas, como vocês devem ter percebido. Esta fase super atribulada está perto de terminar, e eu vou poder passar mais tempo por aqui e retomar as visitas e os comentários. Fico muito feliz cada vez que vejo um recado deixado aqui no blog. Obrigada pelo carinho e por não terem esquecido de mim!

Sabe aquele petisco coringa que é rápido de fazer, tem mil variações e agrada todo mundo? Não tem melhor do que estes caracóis ou palmiers de massa folhada.
 

Nem tem receita!
Basta abrir a massa, espalhar o recheio e enrolar de volta. Na hora de enrolar, a gente pode brincar com as formas. Se a gente enrolar em um só rolo, o resultado é o caracol. Se a gente enrolar a massa até o centro, depois enrolar o outro lado, fazendo dois rolos, o resultado é o palmier.

Eu salpiquei a massa com ervas de provença e fiz o recheio de queijo e presunto.

Dica número 1: deixar a massa enrolada (coberta com papel filme ou com papel manteiga) durante pelo menos 1 hora na geladeira, para poder ficar firme na hora de cortar.
Dica número 2: cortar as fatias com uma faca bem afiada para não esmagar o rolo.



Se quiser, pincelar com uma gema para dourar. Depois, é só levar ao forno para assar.

Olha só quantas opções de recheio:
O palmier clássico de queijo e presunto foi apresentado pela Mary, do blog Sabores e Aromas, no blog Cinco Sentidos na Cozinha, a Márcia, do blog Prata da Casa, e a Susana, do blog Tertúlia da Susy.
A Ana, do blog Petiscos e Miminhos, mostrou um palmier com recheio de massa de pimentão.
A Léia, do blog Cucchiaio Pieno, e a Candy, do blog Candy Love, mostraram palmiers de tomate seco.

O Victor Hugo, do blog Prato Fundo, mostrou palmiers de manjericão e queijo.

Na verdade, a ideia é colocar sobre a massa tudo o que você gosta.


segunda-feira, 6 de maio de 2013

Cogumelos salteados com ovo pochê

Hoje eu queria mostrar que podemos fazer pratos sem carne que são bonitos, elegantes, saborosos e ficam muito bem quando temos convidados em casa. Ainda mais porque são fáceis e rápidos de fazer e levam poucos ingredientes.

Não sei vocês, mas eu gosto de preparar pratos em pouco tempo, para aproveitar ao máximo meus convidados, ou então passar mais tempo curtindo um jantar romântico, sem me descabelar na cozinha.


E como eu acho os cogumelos frescos muito saborosos, quis fazer um prato de cogumelos salteados bem simples, onde eles fossem a estrela principal. Para ficar uma entrada completa, coloquei um ovo pochê por cima, temperado com sal grosso moído na hora e pimenta de Espelette.

Comecei fatiando os cogumelos frescos e um pedaço de alho-poró (parte branca). Refoguei o alho-poró no azeite em fogo médio, juntei os cogumelos fatiados. Quando os cogumelos começaram a murchar, juntei um pouco de vinho branco, e deixei no fogo até evaporar, mexendo de vez em quando. Salpiquei com sal e pimenta do reino.

Ao mesmo tempo, em uma panelinha com água, cozinhei ovo "pochê" (1 ovo por pessoa). O ovo foi cozido em água fervente com um pouquinho de vinagre e de sal. Quando a água estava quase fervendo (com as bolhinhas no fundo da panela), mexi com a colher para retirar as bolhas, fazendo um movimento circular. Quebrei o ovo no meio do redemoinho que se formou, e deixei cozinhando alguns minutos.


Depois foi só arrumar os cogumelos no prato, colocar o ovo por cima e salpicar sal grosso moído (ou flor de sal) e uma pitada de pimenta de Espelette (se não tiver, use páprica doce, que é mais fácil de ser encontrada).

Para quem não sabe usar flor de sal, fica aqui a dica: eu prefiro usar somente na hora de finalizar um prato, quando eu quero dar um toque salgado e meio crocante ao alimento (geralmente legumes cozidos, carnes grelhadas, ou ovo). Nunca uso para cozinhar (acho um desperdício). E quem não tiver flor de sal, o mesmo efeito crocante pode ser obtido com sal grosso moído na hora, que por sinal é muito mais barato.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Cuscuz nordestino recheado com requeijão

Eu, como boa brasileira e nordestina, gosto muito de cuscuz. Nunca comi cuscuz paulista, mas o cuscuz nordestino não pode faltar na casa. Quando tenho saudades de casa, um bom prato de cuscuz me deixa feliz.

Ando testando as possibilidades de uso da minha cuscuzeira tipo "peitinho", que faz um cuscuz em tamanho individual. Adoro!

Agora me lancei no cuscuz recheado em porções individuais. Coisa linda! E simples de fazer. O recheio que eu mostro aqui é queijo cremoso (o queijo de triângulos, ou equivalente aos quadradinhos no Brasil). Pode ser requeijão, queijo picado, o que tiver em casa.



Ingredientes (preparo como manda a embalagem):
2 xícaras de flocos de milho
1 xícara de água
1 pitada de sal

Misturar tudo, deixar descansar por alguns minutos. Para fazer o cuscuz recheado, quando a água da base da cuscuzeira começar a ferver, colocar uma camada de massa na cuscuzeira, colocar o recheio de sua preferência, cobrir com a massa. Levar ao fogo por 5 minutos e desenformar em seguida.


E depois de desenformado, passar um pouquinho de manteiga por cima (a manteiga derrete com o calor) e cobrir com a carne ao molho.


quinta-feira, 2 de maio de 2013

Ovos assados no molho de tomate

Estes dias eu estava querendo fazer um jantar rápido, mas saboroso, e usando o que eu tinha em casa: ovos! Pode parecer prato de estudante e usa ingredientes baratos, mas o resultado é muito saboroso. E eu gosto de comida simples.

Achei esta receita de ovos assados em molho de tomate (Uova in camincia rossa) no blog Cucina Artusiana da Carla Maicá e resolvi preparar em casa. Ela deixou o prato com uma cara muito elegante e bem apresentável, que abre o apetite de qualquer um.

Eu tenho o costume de preparar ovos no forno, como eu mostrei aqui (ovos em cocotte no tomate). Eu quebro o ovo num potinho untado e forrado com presunto (ou dentro de um tomate), cubro com uma colher de creme de leite e queijo, depois levo ao forno. Mas este com molho de tomate me agradou bastante.


Eu escolhi assar o ovo no forno. Mas ele também pode ser cozido na panela mesmo, dentro do molho de tomate, como um ovo escalfado (ovo pochê). E assim o prato fica parecido com uma moqueca de ovo, como fez a Laura Lúcia (Só Receitas Simples) e a Elvira, do Elvira's Bistrot.

Ingredientes para 2 porções:
200 gramas de tomates picados (usei meia lata de tomates pelados cortados)
50g de bacon picado (opcional)
01 cebola média picada
02 dentes de alho picados
1/2 pimentão vermelho picado (usei pimentão sem pele)
1/2 xícara de salsinha picada (usei coentro picado)
folhas de manjericão fresco (não tinha, usei orégano)
Sal e pimenta a gosto
01 colher sopa de azeite de oliva para refogar
02 ovos

Refogar o bacon picado sem adicionar gordura. Quando este começar a ficar dourado, juntar a cebola picada e deixar refogar mais um pouco, depois juntar o alho picado. Adicionar o pimentão e o tomate picado. Molhar com um pouco de água, se necessário (eu molhei com o suco dos tomates pelados). Deixar cozinhar durante uns 10 minutos em fogo baixo. Acertar o sal e a pimenta do reino. Juntar a salsa (para mim, o coentro), o manjericão (para mim, orégano) e desligar o fogo. Dispor um pouco do molho num refratário pequeno que possa ir ao forno, quebrar um ovo por cima, temperar com sal e pimenta do reino. Levar ao forno preaquecido por uns 10-20 minutos, até que o ovo esteja assado ao seu gosto.


Lembrando que o bacon da receita é opcional. Eu usei porque tinha em casa. Ele dá um sabor muito bom, mas pode ser retirado para uma refeição mais leve, ou sem carne, já que a estrela do prato é o ovo.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Brownie de chocolate com nozes

O brownie é um bolo nascido nos EUA, cujo criador teria esquecido de colocar fermento na massa. O bolo, claro, não cresceu, mas foi cortado em quadrados para melhorar sua apresentação. O seu sabor forte em chocolate e sua textura bem macia e úmida conquistaram o mundo inteiro, adultos e crianças. O brownie é um clássico da cozinha americana que foi adaptado no mundo inteiro. Fonte: Wikipédia.

Aqui na França, o brownie é comumente feito com pedaços de nozes. Em outros lugares, ele leva macadâmias, pedacinhos de chocolate branco, ou qualquer outra coisa.

Esta receita eu copiei de uma amiga, que nos fez este delicioso brownie na casa dela. O bom é que ele pode ser preparado rapidinho, enquanto os convidados estão chegando, para ser degustado ainda quente.

Eu preparei este brownie para um pique nique. E fez o maior sucesso. A casquinha fica crocante, e o interior bem macio e úmido.



Ingredientes:
200g de chocolate (usei chocolate amargo, 52% de cacau)
150g de manteiga
3 ovos
100g de açúcar (usei menos)
1 colher de sopa de açúcar de baunilha (um pacotinho)
100g de farinha de trigo
nozes partidas grosseiramente (pode ser castanhas, pedaços de frutas secas, cubinhos de chocolate)
(este brownie não leva fermento)

Derreter o chocolate em banho-maria ou no micro-ondas. Juntar a manteiga, misturar até que fique homogêneo. Deixar esfriar. Bater bem os ovos com o açúcar até que fique um creme claro e espumoso. Acrescentar o chocolate com a manteiga (quando já tiver frio, senão os ovos vão cozinhar imediatamente) e misturar bem. Juntar a farinha de trigo e misturar até a massa ficar homogênea. Juntar as nozes quebradas, misturar delicadamente e deitar numa assadeira pequena e rasa coberta com papel manteiga. Levar ao forno por 20 minutos.

Algumas pessoas usam a assadeira coberta com papel alumínio. Eu não gosto. Acho que o papel manteiga é bem mais prático, nada gruda nele e ele não contém alumínio. O papel manteiga substitui o papel alumínio com muito mais vantagens.



Cortar em quadrados e, se desejar, servir ainda morno com uma bola de sorvete de baunilha por cima.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...