quarta-feira, 31 de julho de 2013

Creme tipo Danette de doce de leite e de chocolate

A minha querida Sol do blog Sol Pâtisserie lançou um concurso de receitas com doce de leite. Eu não podia ficar de fora (mas dessa vez a minha participação foi mesmo aos 45 minutos do segundo tempo!!), apesar de ver alguns candidatos com sobremesas tão lindas e apetitosas que esta minha nem vai ter chance.

Mas o que importa é participar. E aqui eu mando a minha sugestão, um creme de doce de leite, ou sobremesa láctea, tipo Danette, que eu fui buscar neste blog aqui. O original era com caramelo (aqueles bombons de caramelo), mas eu fiz com doce de leite. Depois, eu descobri que pode ser com qualquer coisa que a gente tenha em casa, como chocolate, chocolate branco, somente baunilha, creme de avelãs... enfim.


Os ingredientes são simples, e na maioria das vezes a gente tem em casa. E o preparo é bem fácil e rapidinho. Confere a receita original e as minhas modificações:

Ingredientes para o creme de doce de leite:
500mL de leite
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 colher de sopa de maisena
1 ovo
1 colher de chá de extrato de baunilha
24 bombons de caramelo (usei 3 colheres de sopa de doce de leite)

Derreter os caramelos em fogo baixo (eu pulei esta etapa). Numa panela, antes de levar ao fogo, misturar todos os ingredientes menos o doce de leite, batendo bem para dissolver a farinha e a maisena e não formar grumos. Quando tiver bem dissolvido, levar ao fogo baixo mexendo sempre. Quando o leite estiver morno, juntar o doce de leite e mexer bem para dissolver, e continuar mexendo até engrossar.

Lembrando que o creme engrossa ainda mais quando esfria, então desligue o fogo antes de estar na consistência desejada. Eu prefiro mais molinho.

Agora uma etapa importante que eu achei em outro site, não lembro mais onde, para resfriar o creme antes de colocar nas forminhas e evitar aquela casquinha que se forma na superfície: quando retirar do fogo, colocar a panela numa assadeira (tipo banho-maria) com água e cubos de gelo. Mexer bem para resfriar o creme. Quando o creme estiver frio, colocar nas tacinhas, ou copinhos e levar à geladeira.

Eu ainda fiz uma frescurinha para os copinhos de creme de doce de leite ficarem mais bonitos. Eu derreti uma colher de doce de leite com um pouquinho de água no microondas, para formar uma calda. Depois coloquei uma colher de sopa de calda no fundo dos copinhos, e só então coloquei o creme. Assim a calda cria uma textura nas laterais, e dá mais sabor ainda ao creme quando o degustamos.

No primeiro creme, o de doce de leite, eu deixei muito tempo no fogo, então o creme ficou mais consistente do que eu gosto. Na minha segunda tentativa, desta vez com chocolate, não usei a farinha de trigo. Usei somente a maisena, e a textura ficou excelente e o sabor não deixa nada a desejar para as sobremesas compradas prontas! Com a vantagem que ele não tem conservantes, e você pode usar adoçante ou a quantidade de açúcar desejada. E ainda mais, esta versão é sem glúten (observar bem a composição do chocolate para ter certeza)!


Ingredientes para o creme de chocolate:
500mL de leite
1 colher de sopa de maisena
1 ovo
1 colher de chá de extrato de baunilha
100g de chocolate em barra (usei 52% de cacau)
1 colher de sopa de chocolate em pá (usei 100% de cacau)
1 ou 2 colheres de sopa de açúcar, em função do seu gosto (eu não usei e achei que seria bom pelo menos uma colher)

Fora do fogo, misturar todos os ingredientes (menos o chocolate em barra) para que a mistura fique homogênea, sem grumos. Levar ao fogo baixo, mexendo sempre. Quando o leite estiver morno, juntar o chocolate em barra e misturar até derreter. Continuar mexendo até o creme engrossar e ficar na textura desejada.

Resfriar como foi explicado acima, e colocar nos copinhos ou tacinhas. Levar à geladeira até o momento de servir.

Com esta receita de creme tipo Danette de doce de leite, eu participo ao concurso do blog Sol Pâtisserie.


segunda-feira, 29 de julho de 2013

Escondidinho de charque com batata

Fiz este escondidinho para aproveitar a charque embalada a vácuo que viajou comigo na mala do Brasil até a França. O meu último pacote da reserva foi usado aqui. A receita é simples, mas o charme ficou por conta da apresentação em tigelinhas individuais.

Apesar do calor, este prato foi muito apreciado. E como eu fiz em porções individuais, congelei uma parte para comer quando a temperatura estiver mais amena.

Deixo esta receita aqui especialmente para os meus amigos brasileiros que estão em pleno inverno, com dias frios, chuvosos e precisando de uma comida quentinha.


Ingredientes:
500g de charque (carne seca) retirar toda a gordura
cozida num caldo feito com
1 cebola inteira, espetada com 4 cravos
cascas de cenoura
alho-poró (somente a parte verde)
folhas de salsão
1 folha de louro
tomilho
água até cobrir a carne e mais dois dedos

Cozinhar a charque numa panela de fundo grosso com todos os ingredientes acima, até que ela fique bem macia, se desfiando. Separar a carne do resto do caldo. Coar o caldo e descartar o resto dos ingredientes. Desfiar a carne. Reservar.

Para o purê:
1kg de batatas para purê
1 colher de sopa de manteiga
1 pitada de noz moscada
sal, pimenta do reino
leite o quanto baste
1 cebola picada
salsa picada
azeite
queijo cremoso (catupiry ou outro equivalente)

Cozinhar as batatas descascadas no vapor. Quando estiverem bem macias e ainda quentes, passar no espremedor de batatas e juntar a manteiga, a noz moscada, o sal e a pimenta do reino e misturar bem. Adicionar o leite em pequenas quantidades, misturando bem até dar a textura desejada.

Numa panela, dourar a cebola no azeite. Juntar a carne desfiada e deixar mais alguns minutos. Desligar o fogo e juntar a salsa picada.

Para a montagem: numa tigelinha ou ramequin, coloque uma camada de charque desfiada, um pouco de queijo, e cubra com o purê de batatas.


Levar ao forno para gratinar e servir quente.


Este prato pode perfeitamente ser congelado. No momento de servir, descongelar por alguns minutos no micro-ondas em potência bem baixa, antes de levar ao forno.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Muffins de cenoura

Eu tinha umas cenouras na geladeira e não sabia o que fazer com elas. Ao mesmo tempo, com o final de semana se aproximando, e eu queria fazer um bolo para adoçar os nossos dias. Resolvi fazer um bolo de cenoura, mas em forminhas de muffins. A receita que eu usei foi esta que eu mostrei aqui no blog, que é infalível e deliciosa!

A calda que eu usei foi diferente da ganache de chocolate que eu fiz na receita anterior. Desta vez preferi a calda de chocolate que fica durinha, crocante. A calda eu fui buscar no blog Cozinha Pequena.



Ingredientes:
3 cenouras médias cortadas em rodelas
4 ovos
1 xícara de óleo
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de chá de canela em pó

No liquidificador, bater o óleo, o açúcar, os ovos, as cenouras e a canela até formar um creme. Transferir para uma tigela e misturar a farinha e o fermento. Deitar a massa nas forminhas untadas e enfarinhadas e levar ao forno para assar.


Ingredientes da cobertura de chocolate:
3 colheres de sopa de chocolate em pó
2 colheres de sopa de açúcar
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de leite

Para a cobertura de chocolate: levar todos os ingredientes ao fogo, mexendo de vez em quando. Quando ferver, desligar o fogo. Regar os bolinhos de cenoura com a calda ainda quente. A calda fica sólida quando esfria.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Salada de cevada com frutas secas

Mais uma saladinha fresca perfeita para se alimentar bem no verão, mas de maneira saudável. Esta aqui foi inspirada numa salada de cevada com frutas secas do site Panelinha, da Rita Lobo. Como eu já falei por aqui, gosto de incluir leguminosas e cereais na minha alimentação de todo dia. E esta salada chegou na hora certa.
O calor aqui na França está de matar! Não estou reclamando, afinal a época de calor dura somente dois meses no ano, o resto é inverno, temos mais é que aproveitar! Mas esta semana tratei de comprar um ventilador, porque até para dormir está difícil. As casas aqui são preparadas para o inverno, com aquecedores em todos os cômodos. Mas chega o calor e não se sabe o que fazer.
Imaginem que muitas lojas daqui de Paris (fui em 3 e olhei várias pela internet) não tem mais ventiladores disponíveis??? A procura está tamanha que os estoques estão esgotados.

Mas chega de lenga-lenga. Fiz esta saladinha no sábado, e levei-a para um pique-nique no domingo. Ela resistiu bem ao calor. Pode ser consumida tanto fria quanto em temperatura ambiente. Levei umas lascas de presunto cru para acompanhar. Mas pode ser um frango grelhado que ela fica perfeita.


Ingredientes:
1 xícara de chá de cevada
1 folha de louro
1 maçã verde
suco de 1 limão
2 colheres de sopa de manteiga
1 cebola picada
1/3 de xícara de chá de amêndoas sem casca picadas (usei castanhas de caju)
1/3 de xícara de chá de damasco picado (usei passas)
1/3 de xícara de chá de ameixa seca picada (substituí por mais passas)
3 colheres de sopa de salsa picada
1 colher de sopa de tomilho fresco (usei metade da quantidade de tomilho seco)

Para preparar a cevada, usei as explicações do site Crianças na Cozinha, da Pat Feldman (aconselho a todos!) sobre o porquê de deixar de molho grãos e sementes antes de consumi-los. Recomendo esta leitura a todos os que consomem arroz integral, trigo em grãos, cevada, lentilha, grão de bico, ou qualquer outro grão. E também para os que não consomem, mas se interessam.
Fiz assim:
Lavar a cevada numa bacia com água fria, esfregando os grãos com as mãos até que a água fique turva. Descartar a água e repetir a operação 3 vezes.
Deixar a cevada de molho em água morna com suco de limão de um dia para o outro, ou pelo menos 8 horas.
Escorrer a água e lavar de novo a cevada. Colocar para cozinhar em água o suficiente, com uma folha de louro até que fique macia. Escorrer e transferir para uma tigela grande.
Cortar a maçã em cubos e colocar em uma tigela com água e suco de limão. Reservar.
Numa frigideira, colocar a manteiga e levar ao fogo. Dourar a cebola picada. Escorrer a maçã picada, colocar a água com o suco de limão na tigela da cevada. Juntar a maçã e a cebola picada, e deixar no fogo cozinhando por 1 minuto. Desligar o fogo e colocar a cebola e a maçã na tigela da cevada. Juntar as passas e as castanhas de caju grosseiramente picadas. Juntar a salsinha e o tomilho e misturar bem.


Servir a salada fria ou quente.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Alho-poró gratinado

Esta receita é da avó do meu namorado. Ela mora num sítio, com muitas árvores frutíferas e uma horta, onde ela cultiva vários legumes, inclusive alho-poró.

E é com o alho-poró da horta que ela faz esta receita deliciosa. A receita original francesa é com endívias, mas ela prefere (e eu também) com alho-poró.

O meu alho-poró não veio da minha mini-horta. Até que eu plantei, mas ele ainda não cresceu o suficiente para ser colhido. Mas nesta época do ano podemos encontrar nos mercados o alho-poró ainda jovem (tipo mini), de menor calibre. Ele tem um sabor mais suave e pode mesmo ser consumido cru. O meu veio de uma loja de produtos orgânicos.

A ideia da receita é simples, e mais uma vez a qualidade dos produtos usados é importante. Basta branquear (cozinhar em água com sal por alguns minutos, depois mergulhar em água gelada) a parte branca do alho-poró. Depois, enrolar cada pedaço dentro de uma fatia de presunto e levar ao forno para gratinar, coberto com molho branco (bechamel) e queijo.


Simples, né?

Pois vamos aos ingredientes:
3 alho-porós (somente a parte branca, guardar a parte verde para as sopas ou caldos caseiros)
6 fatias de presunto
queijo para gratinar

Para o molho branco (bechamel):
2 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de farinha de trigo
500mL de leite
sal, noz moscada

Cortar a parte branca do alho-poró em dois. Cozinhar em água fervente com um pouco de sal até que fique bem macio. Retirar e mergulhar em água gelada.
Preparar um molho bechamel, levando a manteiga ao fogo até derreter. Juntar a farinha de trigo, misturar bem, e juntar o leite de uma só vez. Mexer bem com um batedor de arames (fouet) até que a farinha se dissolva. Continuar mexendo até o molho ferver e começar a engrossar. Este molho não deve ficar muito espesso. Se precisar, juntar mais leite.

Num refratário que possa ir ao forno, coloque uma camada de molho branco e disponha os pedaços de alho-poró enrolados no presunto. Cubra com outra camada de molho branco, espalhe queijo e leve ao forno para gratinar.


Se quiser fazer uma entrada chique e elegante, experimente fazer este prato em versão individual. Cortar os pedaços de alho-poró em pedaços que caibam em pé na tigelinha ou ramequin, cozinhar, enrolar com o presunto, arrumar tudo na tigelinha e cobrir com o queijo e o molho branco.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Massa com cenoura, espinafre e gergelim

Tem vezes que a gente compra um ingrediente diferente e fica sem saber o que fazer com ele. Aconteceu comigo quando eu comprei espinafre fresco. Depois de muito procurar, achei esta receita vegetariana (vegana) que mistura cenoura, massa e gergelim, e resolvi fazer em casa.

Modifiquei um pouco os ingredientes, pois queria usar frango que eu tinha na geladeira. Desnaturei a receita, eu sei, mas não me arrependi. Fiquem à vontade para fazer com ou sem frango, de qualquer jeito a receita é deliciosa. Daquelas que deixam a gente feliz!


Um detalhe importante, eu acho que já falei aqui no blog, mas vou repetir. O óleo de gergelim usado na receita confere um sabor extraordinário, que eu realmente não sei como substituir. Se puderem, não o deixem de fora!

Ingredientes:
400g de massa curta (eu usei gravatinha)
azeite
óleo de gergelim
2 filés de peito de frango cortados em tirinhas (opcional)
3 dentes de alho amassados (eu usei 1 colher de sopa desta pasta de alho e gengibre)
2 cenouras em lâminas, cortadas com o descascador de legumes (como nesta receita de talharim de cenoura)
8 echalotas sem pés e com as folhas picadas (eu substituí por 1 cebola picada e 50g de folhas de espinafre)
molho de soja
3 colheres de sopa de gergelim torrado

Levar uma panela com água e uma pitada de sal ao fogo. Quando estiver fervendo, colocar o macarrão.
Enquanto isso, em uma panela tipo wok aquecer o azeite junto com o óleo de gergelim.
Se for usar frango, colocar o frango para dourar na panela. Cozinhar por uns 10 minutos, mexendo de vez em quando, em fogo alto.
Se não for usar frango, comece a receita a partir daqui.
Juntar a cebola picada e deixar murchar. Adicionar o alho amassado (ou a pasta de alho e gengibre) e misturar bem. Deixar no fogo mais uns minutos. Adicionar as lâminas de cenoura e um fio de molho de soja. Baixar o fogo, tampar e deixar cozinhar uns 2 minutos. A cenoura vai murchar e ficar macia. Juntar as folhas de espinafre, mexendo delicadamente, até incorporá-las aos outros ingredientes.
Quando o macarrão estiver cozido, escorrer e adicionar ao wok, junto com mais um pouco de molho de soja e o gergelim. Misturar tudo e servir imediatamente.

Este é um prato com ingredientes simples, mas com um sabor surpreendente. Podem fazer e comprovar.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Risoto de dois cogumelos

Eu sou fã de risotos. De vez em quando eu faço um diferente em casa. Um dos meus preferidos é o de cogumelos. Dessa vez, aproveitei que eu tinha cogumelos de Paris (champignons) e cogumelos shitake. Coloquei um pouco de alecrim, e fiquei impressionada com o sabor. Acho que o alecrim merece um risoto só para ele. Vou testar e venho contar depois.

Enquanto isso, fico com este risoto de dois cogumelos, em que podemos degustar cada cogumelo com sua textura diferente e sabor particular.


Ingredientes:
250g de arroz arbóreo
100mL de vinho branco seco
caldo de galinha caseiro (ver receita aqui), o quanto baste
200g de cogumelos de Paris frescos fatiados
10 unidades de cogumelos shitake hidratados em água quente
1 cebola picada
azeite
alecrim
queijo parmesão ralado

Colocar os cogumelos shitake em uma tigela com água fervente, deixar hidratar por uns 10 minutos. Retirar os cogumelos da água (reservar a água) e fatiá-los. Aquecer o caldo de galinha. Juntar a água de hidratação do shitake (muito perfumada) com o caldo de galinha.
Refogar a cebola com o azeite em uma panela com as folhas de alecrim. Juntar o arroz e envolver bem até que ele fique translúcido. Acrescentar o vinho na panela, em fogo alto, e mexer vigorosamente até que ele seja absorvido. Juntar os cogumelos shitake fatiados, e acrescentar o caldo de galinha aos poucos (contar 3 vezes o volume de arroz em líquidos: caldo + vinho), mexendo sempre.
Em outra panela, refogar os cogumelos frescos com azeite em fogo alto até que eles murchem e fiquem dourados.
Quando o risoto estiver quase pronto, ainda úmido, juntar os cogumelos refogados, temperar com sal e pimenta do reino. Desligar o fogo e servir com bastante queijo parmesão ralado na hora por cima.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Abobrinha recheada com ricota e atum

A Josy, nossa querida amiga do blog Cozinhando com Josy sempre nos traz receitas deliciosas. Entre os pratos doces e salgados, todos saem de lá babando. Foi o meu caso com essas abobrinhas recheadas com atum. Somos duas fãs da abobrinha, e todo mundo sabe disso. Então nada mais justo para homenagear a minha querida Josy que fazer uma receita dela com abobrinha.

E olha aqui o resultado!



Ingredientes:
2 abobrinhas
1 cebola pequena ralada
*1 pedaço de pimentão vermelho picado
200g de atum (1 latinha)
1 xícara de chá de ricota
orégano
*1 ovo
sal, pimenta do reino moída
*juntei por minha conta

Cortar as abobrinhas ao meio, retirar as sementes com cuidado e reservar. Polvilhar as abobrinhas com sal e pimenta do reino, regar com um fio de azeite e levar ao forno por 10 minutos.
Enquanto isso, preparar o recheio. Numa panela com um fio de azeite, refogar a cebola, o pimentão, a polpa da abobrinha picada, o atum, um pouco de orégano. Desligar o fogo e juntar a ricota e o ovo. Temperar com sal e pimenta do reino. Misturar bem.
Retirar as abobrinhas do forno, rechear e voltar ao forno, até dourar.

Servir com uma saladinha de folhas verdes. Fácil, leve e delicioso.


sexta-feira, 12 de julho de 2013

Berinjela à Parmigiana do Jamie Oliver

Depois de ver algumas receitas apetitosas na internet, resolvi atender aos apelos comerciais e comprei um livro do chef inglês Jamie Oliver. Não sou muito de comprar livros de receita. Geralmente compro revistas, para ter outro conteúdo além de receitas. Mas o conteúdo extra é quase sempre um apelo comercial a uma marca conhecida, ou um modismo. Ou seja, no final, não fico muito satisfeita.

Desta vez resolvi comprar um livro de um chef famoso para ver no que dava (comprei o livro do Jamie Oliver, "Itália de Jamie"), pensando que se eu ficasse satisfeita, pensaria em comprar outros. Eu resolvi me dar o objetivo de realizar pelo menos 5 receitas deste livro antes de pensar em comprar qualquer outro. Vou mostrar aqui no blog as receitas preparadas. Fiquem de olho e se alguém tiver uma sugestão que valha a pena, me avise.

Esta berinjela parmigiana foi a minha primeira receita do livro "Itália de Jamie" realizada em casa.

A receita não é trabalhosa, longe disso. O mais demorado é o molho. Mas lembrando que o prato cai muito bem naquele almoço de domingo, a preparação dele pode ser parte da animação, com uma boa música de companhia. E eu já preparei duas vezes de tanto que eu gostei. Não fotografei nada na minha primeira tentativa, mas esta segundo ficou mais saborosa. Acho que foi porque eu fui mais generosa no molho.

E por falar em molho, é por ele que a receita começa. Vale a pena (de verdade) passar um pouco de tempo preparando este molho, que rende bastante e o excedente pode ser congelado para incrementar aquele macarrão de todo dia, a lasanha do domingo, ou até mesmo o pão com salsicha do final da tarde.











Ingredientes:
3 berinjelas (usei 2 grandes) bem firmes
azeite
1 cebola picada em pedaços pequenos
1 dente de alho picado
1 colher de café de orégano
2 latas de 400g de tomates pelados de boa qualidade, ou 1kg de tomates frescos bem maduros
sal, pimenta do reino moída na hora
um pouco de vinagre de vinho
algumas folhas de manjericão fresco
queijo parmesão ralado na hora
farinha de rosca
orégano fresco
opcional: 1 bola de 150g de queijo muçarela de búfala (usei 2 bolas)

Cortar o pedúnculo das berinjelas, cortá-las em fatias de 1cm de espessura. (Eu salpiquei as fatias de berinjela com sal e deixei descansar durante uns 20 minutos, depois enxuguei-as com papel toalha antes de grelhar)
Enquanto isso, regar o fundo de uma panela grande com azeite, levar ao fogo médio para aquecer. Juntar a cebola, o alho e o orégano seco e deixar cozinhar durante 10 minutos, para que a cebola fique transparente e que o alho fique ligeiramente dourado. Passar os tomates pelados rapidamente no liquidificador. Se for usar tomates frescos, retirar a pele (fazer um corte na pele, mergulhar na água fervente por 40 segundos, depois na água gelada por 30 segundos) e as sementes e cortá-los em pedaços grandes. Adicione a polpa de tomates no refogado de cebola e alho. Misturar bem, tampar a panela e deixar cozinhar por 15 minutos.
Enquanto isso, grelhar as berinjelas na churrasqueira, no forno ou numa grelha (foi o que eu usei). A grelha, a churrasqueira ou o forno deve estar bem quente para esta etapa. Grelhar dos dois lados e reservar.
Quando o molho de tomate tiver reduzido, desligar o fogo e temperar com sal e pimenta do reino, juntar um fio de vinagre de vinho e o manjericão. Se quiser, passar o molho no liquidificador, se não quiser ter pedaços de tomate.


Para a montagem do prato: num refratário de cerâmica, colocar uma camada fina de molho de tomate, salpique parmesão ralado, e coloque uma camada de berinjelas grelhadas. Repetir a operação até o final dos ingredientes. Terminar com uma camada de molho de tomate e queijo parmesão. Opcional: por cima do molho, adicionar a bola de queijo muçarela fatiada.
(eu fiz camadas de queijo muçarela entre as berinjelas, ao invés de queijo parmesão)
A última camada deve ser de farinha de rosca misturada com queijo parmesão ralado, um fio de azeite e orégano fresco.


Levar ao forno por uns 30 minutos, até que a crosta fique dourada, crocante e o molho borbulhante.


Este prato pode ser servido puro, como prato completo sem carne (aqui em casa fizemos assim), ou como acompanhamento de uma carne grelhada, se você preferir. O resultado é fantástico! Eu fiz duas vezes em casa, e tenho certeza que farei mais vezes. Recomendo muito esta receita.

Eu gosto da crosta com farinha de rosca porque ela fica dourada, crocante, e ela ainda absorve um pouco do molho do prato.
O molho preparado com estes ingredientes deu para fazer 2 vezes este prato, e ainda sobrou um pouco. E olha que eu fui generosa nas camadas.
Se quiser fazer somente do molho para outras receitas, vale a pena! Ele fica delicioso.


E agora, qual será a próxima receita deste livro para fazer aqui em casa? Sugestões?

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Sobremese de iogurte com goiabada com biscoito em verrines


Pois eu acabei de fazer uma versão melhorada da mesma sobremesa. Desta vez, usei uma base de biscoitos amassados. E tudo isso com somente 4 ingredientes:

1) goiabada (uns 200g)
2) iogurte natural (4 unidades de 125g)
3) suco de limão (suco de 1 limão)
4) biscoitos (8 unidades)


Começar derretendo a goiabada no microondas ou no fogo com um pouco de água. Juntar água aos poucos para que a goiabada fique bem cremosa. Quando esfriar, misturar o suco de limão e o iogurte até formar um creme homogêneo. Triturar os biscoitos e colocar no fundo de um copo, ou verrine. Cobrir com o creme de goiabada e levar à geladeira por algumas horas.

Fica delicioso! Os biscoitos dão um toque crocante, e contrasta com o creme de goiabada. Além do mais, fica uma sobremesa bem elegante e fácil de fazer.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Macarrão ao pesto com presunto cru

Uma receita rapidinha para aqueles dias de pressa, em que queremos comer em casa algo gostoso, mas rápido de fazer.

A dica é fazer uma massa (eu usei gravatinha), ao molho pesto (usei um comprado pronto, mas aqui tem uma receita se você quiser fazer o seu em casa) diluído com uma pouco da água do cozimento do macarrão, e lascas de presunto cru. Salpiquei bastante parmesão ralado por cima.

E olha que delícia que ficou!


Uma boa dica para fazer nos dias de pressa (ou de preguiça).

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Farofa de milho com bacon, passas e ovos

A minha querida Fabiana Braga, do blog Sabor no Prato, fez uma farofa usando farinha de milho que me deixou com água na boca. Ela me fez lembrar também de um saco de farinha de milho que eu comprei no Brasil e trouxe para casa, e que estava meio abandonado no armário.

E como eu adoro farofa, fiz uma bem caprichada para matar as saudades do Brasil.


Ingredientes:
150g de bacon (usei bacon magro)
um pedaço de cebola passada no processador para ficar com pedaços bem pequenos
50g de passas
2 ovos
manteiga o quanto baste
farinha de milho (usei metade de farinha de milho e metade de farofa de mandioca, daquelas prontas)

Dourar a cebola cortada em pedaços minúsculos (passei no processador) na manteiga. Juntar o bacon magro e as passas. Deixar dourar bem. Juntar os ovos, mexer bem e deixar cozinhar um pouco. Juntar a farinha quando os ovos estiverem ainda moles. Misturar bem, até que os ovos fiquem partidos em pedaços pequenos. E está pronta a farofa.


Eu servi esta farofa com aquela carne com pimentão que eu mostrei aqui.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Carne com pimentão

A Fê Dayrell mostrou uma carne verde e amarela com pimentão preparada especialmente para um jogo do Brasil. Eu, como sou louca por pimentão, peguei a receita e resolvi fazer em casa.

Tive que adaptar um pouco, primeiro porque eu usei pimentão vermelho ao invés do amarelo. Pelas cores, acabou ficando uma carne Portuguesa. Outra modificação foi o uso de uma carne de porco magra, ao invés de carne bovina. E para os temperos, eu juntei um pouco de mostarda junto com o alho para marinar a carne.


Ingredientes que eu usei:
4 bifes de carne magra (de porco ou de boi)
1 pimentão vermelho
1 pimentão verde
1 cebola
2 dentes de alho amassados
1 colher de sopa de mostarda forte (de Dijon)
sal, pimenta do reino
óleo ou azeite

Começar temperando a carne cortada em tiras com alho amassado, raspas de limão e mostarda forte (usei mostarda de Dijon), além de um pouco de sal e pimenta do reino. Deixar marinando umas 6 h na geladeira, em um recipiente fechado.

Cortar os pimentões e a cebola em tiras. Numa frigideira de fundo grosso, aquecer o azeite. Dourar a carne, mexendo de vez em quando, até que fique no ponto de sua preferência. Reservar.
Na mesma panela, colocar a cebola picada e deixar murchar. Juntar as tiras de pimentão e deixar refogar mais um pouco. Juntar a carne reservada e misturar bem.


Eu servi a carne com um purê de batata e brócolis (usei os talos e algumas flores) que eu fiz assim: cozinhei as batatas descascadas e cortadas em cubos, e os cubos de talos de brócolis no vapor, tudo junto. Quanto estava bem macio, amassei tudo com o garfo, juntei um pouco de manteiga, de leite, de sal e uma pitada de noz moscada.


E para completar o prato e dar um toque brasileiro, servi com uma farofa de farinha de milho com bacon, passas e ovos que ficou deliciosa. A receita dela vem depois.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Salada caprese no copo

A minha amiga Renata Boechat, do blog Eternos Prazeres, mostrou uma vez uma salada caprese na taça, de uma elegância e de uma simplicidade impressionantes.


Eu concordo que as comidas simples são geralmente as mais saborosas, desde que sejam feitas com ingredientes de qualidade. Se você concorda comigo, então vamos adiante.


Então, pegue uns tomates maduros e bem saborosos cortados em cubos grandes (se tiver tomate cereja de boa qualidade, maduro e docinho, pode usar também), umas folhas de manjericão cortadas para liberar todo o seu sabor (usei o da folha grande, bem perfumado), e uma boa muçarela italiana, também em cubos.

Depois, prepare um molho vinagrete com um azeite de maçã (ou cidra) ou balsâmico, um fio de azeite de boa qualidade, pimenta do reino moída na hora e sal.

Arrume as camadas numa taça, ou mesmo num copo: tomate, manjericão picado e queijo, regue com o molho vinagrete. Faça uma nova camada, termine com uma folha de manjericão.


Simples assim. Esta foi a nossa entrada, num dia de preguiça. A salada caprese no copo acompanhou umas cervejas belgas, azeitonas recheadas com pimentão e um pão caseiro.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...